Praia: Autarquia e Governo inauguram terceira fase das obras de drenagem e requalificação de Fonton (c/áudio)

Cidade da Praia, 27 Abr (Inforpress) – A câmara da Praia e o Governo inauguraram hoje a terceira fase das obras de drenagem e requalificação de Fonton, com a autarquia de olhos postos na quarta fase, que visa transformar Fonton num “famoso pulmão verde” da cidade.

Esta obra, com financiamento da autarquia e do Governo, através do Programa de Reabilitação, Requalificação e Acessibilidades (PRRA), está orçada em quase 120 mil contos e contempla drenagem de água, estrada asfaltada, rua pedonal, escadaria de acesso à Palmarejo, bancos, iluminação, passeios e ciclovias.

“Estamos a falar deu uma zona muito perto de Quebra Canela [praia] que tem um valor muito alto e temos de lhe dar uma atenção muito especial. Há uma quarta fase que é transformar Fonton num famoso pulmão verde da cidade. Aqui, tem todas as condições para que em concertação com o privado dar a esta zona um valor muito mais alto”, disse o edil praiense, Óscar Santos, em declaração à imprensa.

Os moradores congratulam-se com estas obras, mas pedem que seja resolvida a questão do mau cheiro vindo da ETAR. Uma solução que, para o edil pode ser resolvida quando a estação de tratamento de águas residuais passar a funcionar com toda a sua capacidade, isto é, com 100 por cento (%) de ligações de rede de esgotos nas casas.

Segundo o autarca, neste momento, a ETAR funciona abaixo da sua capacidade, porque na Cidade da Praia apenas 40% da população está ligada à rede de esgoto.

“Quando funciona abaixo da sua capacidade, produz mau cheiro, significa que se aumentarmos a ligação de esgoto resolveremos o problema e pode-se fazer outro investimento que pode reduzir mau cheiro porque agora há tecnologias disponíveis no mercado que permitem que possamos conviver perfeitamente com a ETAR”, afirmou.

Presente na cerimónia de inauguração, o primeiro-ministro e ex-edil praiense, Ulisses Correia e Silva, fazendo referência a Fonton de outrora, considerou que “não há nada impossível” de ser concretizada, “não há nada que pode ser corrigida” e que “não há soluções impossíveis”.

“Quem conhecia essa zona antes e que conhece hoje sabe que era uma zona intransitável no período da chuva, onde havia sérios problemas. Era uma zona conhecida por ser o foco do paludismo e de produção de mosquitos, mas hoje é uma zona com menos casos de paludismo, está bem requalificada e a auto-estima das pessoas está em alta”, ressaltou.

Para o chefe do Governo, esta obra tem um significado “muito forte” e demonstra que se trabalharem juntos (autarquia e Governo) conseguirão fazer “coisas boas” em benefício da população.

Neste sentido, assegurou que o Governo vai, até 2022, continuar a apostar na requalificação urbana e ambiental em todo o país.

Para os moradores “hoje saíram do inferno e estão no purgatório”, uma vez que já não vão passar pelo sofrimento que antes viviam no período da chuva, em que a zona ficava completamente isolada.

AM/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos