Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

PR supõe que maior prémio para jornalistas seja oportunidade e condições mínimas para continuarem a trabalhar (c/áudio)

Cidade da Praia, 31 Mai (Inforpress) –  O presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, considerou hoje que o melhor prémio que se pode dar a qualquer jornalista, talvez, seja a oportunidade e as condições mínimas para continuar a desempenhar o seu trabalho.

O chefe de Estado fez estas considerações ao presidir o acto de entrega do Prémio Nacional de Jornalismo, tendo afirmando que a atribuição deste prémio é fundamental, não só para os distinguidos, mas também para toda a classe, num momento em que o jornalismo “passa por modificações e adaptações importantes”.

“Mas podemos perguntar: qual é o maior prémio que se pode dar a qualquer jornalista? Talvez sejam a oportunidade e as condições mínimas para ele ou ela continuarem a desempenhar o seu trabalho, talvez seja o reconhecimento, o respeito devido que ele ou ela merecem pelo seu trabalho”, considerou.

Este acto, conforme disse, apesar de parecer singelo, representa um momento importante e central na democracia do país, porque o jornalismo, quando autêntico, é sinónimo de liberdade e só pode ser exercido plenamente em democracia, por e para todos os cidadãos.

Para o PR, este prémio é o reconhecimento do empenho, da competência e do profissionalismo do jornalista da imprensa, rádio e televisão.

“Os prémios a atribuir vão para o talento, o profissionalismo, a abnegação e a paixão com que os premiados realizaram os seus trabalhos, e que, no fundo, não são mais do que os ingredientes que compõem aquilo a que chamamos jornalismo em qualquer parte do mundo”, sublinhou.

Jorge Carlos Fonseca enalteceu o facto de todos os profissionais terem presentes nos seus trabalhos a preocupação social, e o compromisso com os anseios da comunidade e da sociedade cabo-verdiana, em geral.

Por sua vez, o presidente da Associação dos Jornalistas de Cabo Verde, Carlos Santos, destacou a qualidade técnica, a pertinência, a importância e o relevante interesse público dos 35 trabalhos apresentados pelos jornalistas.

Destacou ainda o facto de os jornalistas terem escolhidos a reportagem como género jornalístico para abordar as temáticas retratadas nos trabalhos submetidos a concurso e a expressiva participação das mulheres a este prémio, o que, a seu ver, demonstra que as mulheres estão em força nas redações.

A juntar-se ao PNJ, Carlos Santos avançou que a AJOC está a mobilizar outras parcerias, no sentido de se criar outros prémios, nomeadamente nas áreas do jornalismo económico, da saúde e do ambiente.

“Estamos confiantes de que até ao final do nosso mandato, daqui a pouco mais de dois anos, conseguiremos instituir, senão todos, pelo menos o prémio para a melhor reportagem no campo da economia”, perspectivou.

O sexto prémio de jornalismo foi para as jornalistas Sara Almeida, do Expresso das Ilhas, Ângela Monteiro, da Rádio de Cabo Verde, e Maria da Luz Neves, da Televisão de Cabo Verde.

 

A jornalista Sara Almeida, do Expresso das Ilhas, venceu na categoria de imprensa, com a reportagem “União de facto na adolescência: meninas-mulheres ou “a vida antes do tempo”.

Na categoria de rádio, o prémio coube a jornalista Ângela Monteiro, da RTC, com a reportagem “Situação do Celeiro Agrícola Justino Lopes”, enquanto na categoria de televisão a vencedora foi a jornalista Maria da Luz Neves com a reportagem “Depois da Dor”.

Nesta sexta edição foi ainda atribuído menções honrosas na categoria de imprensa ao jornalista da Agência de Notícias Inforpress, Luís Carvalho, com a reportagem “Os dois Irmãos: A realidade que antecede ficção”, e ao jornalista do Expresso das Ilhas, Jorge Montezinho com a reportagem “O chão dos Esquecidos”.

Na categoria de rádio foi distinguido o programa: “Origens – Antoni Dente D’Oru e Visita da ONU ao PAIGC”, da autoria da jornalista, Ariana (Nany) Vaz, da Rádio de Cabo Verde.

Na categoria de televisão, a reportagem “Misteriosos desaparecimentos na capital”, da autoria da jornalista Keita Violante, da Record CV, também recebeu menção honrosa.


AM/FP

Inforpress/Fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos