Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

PR quer que o Estado encontre soluções para financiamento dos órgãos privados da comunicação social

 

Cidade da Praia, 03 Mai (Inforpress) – O Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, defendeu hoje a necessidade de o Estado encontrar soluções para o financiamento dos órgãos privados da comunicação social a bem da pluralidade e da democracia em Cabo Verde.

Jorge Carlos Fonseca falava aos jornalistas depois de presidir a cerimónia de abertura da conferência sobre “Liberdade de imprensa e censura na era digital”, promovida pela Associação Sindical dos Jornalistas de Cabo Verde (AJOC), para assinalar o Dia Mundial da Liberdade Imprensa, que hoje se celebra.

Segundo o Chefe de Estado, para ter uma democracia avançada, que se pretende em Cabo Verde, há que ter uma imprensa livre e que para ser livre a mesma tem de ser plural.

Por isso mesmo, adiantou que, se o país se concentrar apenas nos meios de comunicação públicos isto poderá condicionar a pluralidade das fontes de informação.

“Costuma-se dizer que os privados devem procurar os seus próprios meios de financiamento. Isto, teoricamente, pode ser interessante, mas num país com a dimensão de Cabo Verde pode ser complicado”, disse salientando que é importante que também o Estado garanta, pelos próprios meios, a pluralidade de expressão que é nodulo da democracia.

“Não vejo que o Estado não possa encontrar meios com critérios de equidade de adequação também contribuir para a firmação do sector privado. Esse confronto é sempre importante nas democracias. O desaparecimento de órgãos de comunicação é sempre uma perda para a pluralidade da informação que se quer construir”, anotou.

A questão do financiamento é, segundo o Presidente da República, uma das formas subtis de censura. Contudo, falou também da questão da autocensura que, de resto, é apontado no relatório dos Repórteres Sem Fronteiras, onde Cabo Verde está colocado na posição 27 do “ranking” da liberdade de imprensa.

Jorge Carlos Fonseca considera que as disfunções do mercado é um dos factores que acaba por promover a auto-censura.

“Se um profissional tem meios de exercer a sua profissão, não tem receio de perder o emprego, tem menos condições de ser condicionado pelos meios públicos. Agora, nós somos um bocado pequeno, as fontes de financiamento são reduzidas e pode acontecer que um profissional, sobretudo mais jovem, possa sentir constrangido, receber indicações e ser condicionado na sua forma de fazer informação para poder fazer a sua carreira”, disse defendendo uma “luta forte” por parte de todos.

Jorge Carlos Fonseca chamou também a atenção para o condicionamento da era digital, salientando que o excesso de informação nem sempre é sinónimo da sua qualidade.

“Liberdade de imprensa e censura na era digital” foi o tema escolhido pela AJOC para uma reflexão neste Dia Mundial da Liberdade de Imprensa.

Segundo a presidente da AJOC, Carla Lima, o objectivo é chamar a atenção dos jornalistas para os perigos dos riscos que a utilização da Internet acarreta.

A conferência teve como orador o jornalista e professor português Mário Mesquita e foi moderada pela jornalista da Televisão de Cabo Verde, Margarida Fontes.

À margem da conferencia foi lançado o Prémio de Jornalismo Manuel Delgado, uma parceria da AJOC e Unitel T+. O prémio divide-se em duas categorias sendo um para categoria sénior e outra para jovem jornalista.

MJB/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos