Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

PR guineense admite estar a negociar com Senegal partilha de futuras descobertas do petróleo

Bissau, 16 dez (Inforpress) – O presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, admitiu hoje estar a negociar com o Senegal acordos para uma possível partilha de futuras descobertas do petróleo que se acredita existir nas águas fronteiriças dos dois países.

Sissoco Embaló falava esta noite após uma visita a Bissau de dois dias do Presidente do Congo, Denis Sassou Nguesso.

O chefe do Estado guineense dissipou dúvidas que pairavam nos últimos meses, após a imprensa do Senegal ter revelado que Umaro Sissoco Embaló e o seu homólogo senegalês, Macky SalL, estariam a negociar um acordo de partilha do petróleo.

Na conferência de imprensa, perante a pergunta de um jornalista, o Presidente guineense começou por afirmar que não precisa de pedir autorização a quem quer que seja para assinar acordos em nome da Guiné-Bissau, nem ao parlamento.

“Quero esclarecer esse assunto: Vou assinar esse acordo estes dias, já agora”, afirmou Umaro Sissoco Embaló.

O chefe de Estado guineense esclareceu ainda que o acordo a ser assinado com Macky Sall terá uma cláusula para que a chave de partilha (forma de divisão) do petróleo seja mudada a favor, em caso da descoberta, do país onde o recurso for encontrado.

Actualmente, a chave da partilha está fixada em 15% para a Guiné-Bissau e 85% para o Senegal.

Umaro Sissoco Embaló disse não estar preocupado com aquela formulação, desde que as duas partes saibam que a nova regra de divisão será determinada conforme o lugar onde o recurso for encontrado.

“Isso é de inteligência e não da esperteza, os que querem falar, podem continuar a falar”, observou o chefe de Estado, salientando que a única entidade a quem deve explicações é ao povo guineense.

“Só respondo ao povo guineense, não respondo nem ao parlamento, nem à justiça, só ao povo, que cauciona ou sanciona [as decisões], embora não esteja acima da lei”, declarou Umaro Sissoco Embaló.

O Presidente da Guiné-Bissau convocou para quinta-feira o Conselho de Estado, reunião que vai acontecer após realizar audiências com o presidente da Assembleia Nacional Popular e com os partidos políticos com assento parlamentar.

Sissoco Embalo admitiu hoje que a dissolução do parlamento continua em cima da mesa.

Segundo a Constituição da Guiné-Bissau, a dissolução do parlamento é uma das competências do chefe de Estado desde que haja uma grave crise institucional.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos