Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

PP marca convenção do partido para 23 de Janeiro e congratula-se com exoneração de Francisco Tavares

Cidade da Praia, 10 Jan (Inforpress) – O Partido Popular (oposição) decidiu hoje, na sua reunião quinzenal, marcar a realização da convenção do partido para o dia 23 Janeiro e reflectiu sobre a nomeação de Óscar Santos e a exoneração de Francisco Tavares.

Em declarações à Inforpress no final da reunião, o porta-voz do PP, Juvenal Furtado, aproveitou para convidar a todos os cabo-verdianos, no país e na diáspora, a participarem no congresso cujo objectivo é eleger, renovar e reforçar a ideologia, valores e princípio do partido como um partido de centro esquerda.

“No congresso vamos fazer a aprovação de moções sobre Saúde, Educação, funcionamento do Estado e habitação”, disse.

Segundo Juvenal Furtado, o partido, nesta reunião quinzenal, congratulou-se com a exoneração do cargo, de Francisco Tavares, considerando ter sido uma decisão acertada do Governo, apesar de tardia.

“Congratulamos porque pensamos que o cargo deve ser ocupado por uma pessoa com formação na diplomacia, que do nosso ponto de vista é a mais adequada para este lugar”, afirmou.

Um outro assunto debatido durante a reunião desta semana, foi a nomeação de Óscar Santos para governador do BCV, designação que o PP considera de “inadequada” no fim de uma legislatura, realçando ser um “prémio” para o ex-presidente da Câmara Municipal da Praia.

Quanto à segurança pública e à criminalidade, um tema que o partido da oposição sempre tem agendado nas suas reuniões quinzenais, foi considerado como um mal que vem aumentado no país devido à pobreza extrema e ao desemprego que atinge a camada juvenil.

A reunião de hoje, segundo frisou, serviu também para se analisar o uso e venda das drogas pesadas, facto que PP admite não estar a resultar por falta de vontade política, mais do que por falta de recursos humanos, atribuindo ainda culpas ao desleixo dos tribunais e do Ministério Público.

PC/HF

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos