Portugal reitera apoio técnico a Cabo Verde na candidatura do ex-Campo de Concentração do Tarrafal à Unesco (c/áudio)

Tarrafal, 06 Jul (Inforpress) – A ministra da Cultura de Portugal reiterou hoje o apoio técnico deste país europeu a Cabo Verde, através das suas instituições, na candidatura do ex-Campo de Concentração do Tarrafal a Património da Humanidade da Unesco.

Graça Fonseca deu esta garantia em declarações à imprensa após o acto da assinatura de um memorando de entendimento rubricado esta terça-feira, no ex-Campo de Concentração do Tarrafal, na ilha de Santiago, com o seu homólogo de Cabo Verde, Abraão Vicente.

O memorando de entendimento prioriza a cooperação, protecção, conservação, salvaguarda e divulgação do património cultural.

Abrange as áreas de formação e capacitação técnica, partilha de conteúdos científicos, publicações, investigação, intercâmbio profissional, actividades científicas conjuntas, mobilidade de técnicos e preparação de exposições para o Museu da Resistência do Campo de Concentração do Tarrafal e o Museu Nacional da Resistência e da Liberdade de Peniche, em Portugal.

Na ocasião, Graça Fonseca lembrou que Portugal está a trabalhar com Cabo Verde neste processo desde 2019, cujo compromisso “muito sério” foi formalizado hoje com a assinatura do memorando de entendimento.

“Temos vindo a trabalhar não só a nível político, mas também a nível técnico entre a Direcção-Geral do Património Cultural de Portugal e o Instituto do Património Cultural de Cabo Verde, precisamente com a cooperação técnica com Cabo Verde neste trabalho de preparação da candidatura do campo de concentração do Tarrafal a património da humanidade”, concretizou.

Aliás, acrescentou que Portugal também trabalhou com Cabo Verde em outros processos, nomeadamente nas candidaturas da Cidade Velha e da Morna a patrimónios da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

“Portanto, o nosso compromisso é muito firme de trabalharmos de forma muito próxima com o Governo de Cabo Verde para que o ex-campo de Concentração do Tarrafal, um local de má memória, partilhamos em conjunto este objectivo e contemos a história para o futuro, preservemos este lugar para que a história seja conhecida e não se repita nem aqui e nem em outro lugar”, assegurou.

Ainda sobre o documento, ora assinado, a governante portuguesa acrescentou que o mesmo consiste fundamentalmente na cooperação técnicas nas diferentes áreas da museologia, investigação, da classificação, divulgação, da parte de elaboração da própria candidatura que é feita em grande articulação com o trabalho que o Governo português está a fazer na Fortaleza de Peniche – Museu Nacional de Resistência e Liberdade.

“Portanto, são dois locais que têm histórias por contar e estamos a partilhar o trabalho, tendo em conta que iniciamos em Portugal todo o processo de musealização da Fortaleza de Peniche”, enfatizou Graça Fonseca.

O ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, por seu lado, afirmou que este momento, pontua o início de uma “nova etapa” da valorização da memória da memória partilhada entre Portugal e Cabo Verde.

O também Museu da Resistência, segundo Abraão Vicente, foi reabilitado não só para preservar a memória do passado, mas para que a partir daqui se projecte um “novo futuro”.

“Acredito que o projecto da candidatura do ex-Campo de Concentração do Tarrafal, tem todos os requisitos para ser uma candidatura e um processo vitorioso”, vaticinou o ministro, que disse esperar contar também com “total apoio e engajamento” de Angola, Guiné-Bissau, Moçambique, Timor-Leste e São Tomé e Príncipe.

Questionado se o Governo mantém a data de entregar o processo da candidatura do ex-campo de concentração para o próximo ano, o ministro da Cultura informou que continuam a meta de entregar o dossiê na próxima data disponibilizada pela Unesco, manifestando a intenção que seja no próximo ano.

“(…) Com a assinatura do protocolo com Portugal vai entrar uma equipa técnica mista e vamos reavaliar a próxima data. Se no próximo ano conseguirmos óptimo, se não conseguirmos, temos um mantado de cinco anos para o fazer. O objectivo traçado é neste mandato entregar o dossiê da candidatura do ex-Campo de Concentração do Tarrafal juntamente com o da Tabanca”, garantiu Abraão Vicente.

FM/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos