Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Porto Novo/Turismo: Autarca prevê investir cinco mil contos nos caminhos vicinais

Porto Novo, 17 Nov (Inforpress) – Cinco mil contos é a verba que a edilidade porto-novense pretende, em 2022, investir nos caminhos vicinais em todo o município do Porto Novo, que estão em mau estado, conforme o plano de investimentos para o próximo ano.

A autarquia, também, já submeteu ao Banco Mundial um programa de recuperação de 50 quilómetros de caminhos vicinais neste município, esperando conseguir o financiamento em 2022, no quadro do próximo pacote de investimentos para Cabo Verde no domínio do turismo. 

Os guias profissionais de turismo voltam a pedir intervenções nesses percursos para a segurança dos visitantes, depois do acidente fatal, ocorrido domingo, envolvendo um turista francês de 68 anos de idade.

O vereador da Câmara Municipal do Porto Novo, responsável pela área económica, Valter Silva, entende que “os investimentos nos caminhos vicinais, melhorando as rotas e a segurança dos turistas, são urgentes” para se iniciar “de uma vez por todas” o turismo de trekking (caminhadas em trilhas).

Através de um posto na sua página do facebook, este vereador considera que “a  segurança dos turistas nas caminhadas deve ser um dos itens primordiais” quando se apresenta a oferta nacional dos caminhos vicinais, evitando assim acidentes com turistas”.

Para o presidente da Associação dos Guias de Turismo de Santo Antão, Odair Gomes, esta actividade “tem de estar ajustada com a segurança”, alertando para a necessidade de se proceder à “manutenção dos caminhos vicinais” nesta ilha.

A Associação dos Guias de Turismo de Santo Antão tem estado a alertar para o “péssimo estado” de alguns caminhos vicinais, que fazem parte do itinerário turístico nesta ilha, representando “riscos para a vida dos turistas”.

Há caminhos que não recebem obras desde as cheias de 2016, recordou a mesma fonte.

Nos últimos três meses, houve dois acidentes envolvendo turistas, um dos quais acabou por falecer dada a gravidade dos ferimentos sofridos durante a queda.

JM/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos