Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Porto Novo/Ribeira dos Bodes: Agricultores que perderam a produção vêem frentes de trabalho como “única saída”

Porto Novo, 17 Jul (Inforpress) – Os agricultores em Ribeira dos Bodes, no Porto Novo, que perderam a produção devido à uma avaria do furo em Chã de Casa, estão de regresso às frentes de trabalho, “única saída” que restou aos lavradores.

O porta-voz dos  agricultores, Augusto Sancha, explicou que depois de vários anos a viverem da agricultura, “hoje” os 25 lavradores vêem-se na necessidade de retornar às frentes de trabalho para conseguirem o sustento para as suas famílias, que ficaram de “mãos a abanar”.

“Perdemos tudo o que tínhamos e, hoje, a nossa única saída são as frentes de trabalho. Felizmente, abriu-se uma pequena frente de trabalho, mas nem todos os agricultores tiveram a sorte de encontrar um dia de trabalho”, lamentou a mesma fonte, explicando que apenas nove dos agricultores conseguiram o emprego.

A viverem da agricultura há, pelo menos, cinco anos as famílias em Chã de Casa, um dos povoados que compõem a Ribeira dos Bodes, já tiveram problemas com o sistema de bombagem do furo mas nunca viram uma situação tão difícil”, adiantou Augusto Sancha.

“É difícil calcular os prejuízos. Perdemos tomate, pimentão, abóbora e muitos outros produtos. Os danos são incalculáveis”, sublinhou.

Na semana passada os agricultores em pediram “socorro” ao Governo pelo facto de estarem a passar por “um momento muito complicado”.

O presidente da Associação de Desenvolvimento da Ribeira dos Bodes, Jailson Monteiro, já tinha lançado um apelo ao Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA) para “socorrer” esses agricultores que perderam, este ano, toda a sua colheita.

Esses camponeses, além da escassez de água, derivada do problema no sistema de bombagem do furo, enfrentaram ainda o mau tempo que levou à perda de toda a produção, situação que afecta, directamente, 70 pessoas.

O MAA assinou com a associação local um contrato que permitiu a abertura de uma frente de trabalho para absorver parte desses lavradores.

JM/HF

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos