Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Porto Novo/Ribeira das Patas: Agricultores com garantias de que ordenamento da bacia hidrográfica começa até 2023

Porto Novo, 14 Set (Inforpress) – Os agricultores na Ribeira das Patas, no município do Porto Novo, têm garantias dos parceiros de que o financiamento do projecto de reordenamento desta bacia hidrográfica estará “fechado” até 2022 e que as primeiras obras começam em 2023.

A informação foi avançada à Inforpress pelo presidente da Associação para o Desenvolvimento Integrado da Ribeira das Patas (ADIRP), Arlindo Delgado, depois de ter participado, segunda-feira, num encontro com técnicos da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), um dos parceiros do projecto.

No encontro, realizado via zoom, o presidente da ADIRP enumerou aquilo que os agricultores consideram “prioridades” no quadro do projecto de ordenamento da bacia hidrográfica da Ribeira das Patas, como a recuperação dos terrenos agrícolas, a melhoria de espécies, mobilização de água e correcção torrencial. 

A mesma fonte disse ter recebido garantias de que, até ao próximo ano, estará mobilizado o financiamento e que as primeiras intervenções terão início em 2023, o que tranquiliza os agricultores, que têm estado a insistir na realização dos investimentos identificados pelos estudos.     

Esta associação tem vindo a pedir a mobilização de água na Ribeira das Patas com vista a relançar a agricultura nessa bacia que, segundo os estudos efectuados no quadro do projecto, dispõe de um potencial, em termos de recursos hídricos, à volta de cinco milhões de metros cúbicos de água.

Porém, menos de um terço desse potencial é, actualmente, explorado, razão pela qual os lavradores têm vindo a exigir aposta na mobilização de água, neste vale.

O projecto de reordenamento da bacia hidrográfica da Ribeira das Patas, a acreditar nos estudos, deve exigir investimentos na ordem dos dois milhões de contos, até 2035.

JM/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos