Porto Novo: Estudo de diagnóstico sobre o sector das pescas apresentado dentro de um mês – edil 

 

Porto Novo, 13 Nov (Inforpress) – O estudo de diagnostico sobre o sector das pescas no Porto Novo, Santo Antão, que incide, sobretudo, nas comunidades piscatórias do Tarrafal e Monte Trigo, já na fase final de elaboração, será apresentado no mês de Dezembro.

A informação foi avançada pelo edil do Porto Novo que disse acreditar que o estudo, a cargo da organização não governamental Atelier Mar, com sede em São Vicente, vai estar pronto “dentro de um mês”.

“Já foi feita uma primeira apresentação e pensamos que, dentro de um mês, será feita a apresentação definitiva do estudo encomendado pelo primeiro-ministro, na sequência da sua visita ao Tarrafal de Monte Trigo”, adiantou.

Com este estudo, o Governo pretende elaborar um projecto de desenvolvimento integrado das pescas no Porto Novo, com incidência, sobretudo, no Tarrafal e Monte Trigo, zona com “grande potencial” para, segundo Aníbal Fonseca, “contribuir de forma sustentável” para melhorar as condições de vida das populações.

O estudo visa dar “orientações claras” ao Governo quanto aos investimentos que deverão ser feitos para alavancar o sector das pescas no Porto Novo, no quadro desse projecto, que deve começar a ser implementado em 2018, segundo o autarca.

O objectivo é desenvolver de forma integral e transversal” o sector pesqueiro nessas duas comunidades, onde se situa um dos maiores bancos de pesca em Cabo Verde (Noroeste).

Além de captura, com apoio aos pescadores na aquisição de embarcações de pesca, o projecto deverá privilegiar ainda as vertentes formação, tratamento, transformação e comercialização do pescado.

O propósito, segundo o autarca, é fazer com que os operadores de pesca consigam tirar “todas as vantagens” do banco pesca do Noroeste, ainda “pouco exploradas”, devido a constrangimentos de vária ordem, designadamente a falta de embarcações adequadas.

Os pescadores das diferentes comunidades piscatórias no Porto Novo têm estado a queixar-se da falta de equipamentos de apoio à actividade pesqueira no concelho, com destaque para arrastadouros de botes.

No caso do Tarrafal e Monte Trigo, os pescadores têm estado à procura de financiamentos com vista à aquisição de um barco de pesca para, além de melhorar a captura, ainda minimizar o problema do desemprego, que afecta a classe nessas localidades.

A Associação dos Pescadores do Tarrafal de Monte Trigo estima que cerca de 80% dos pescadores locais estão, actualmente, no desemprego.

JM/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos