Porto Novo “espera e desespera” pelo projecto agro-industrial à volta de 23 milhões de euros – edil

Porto Novo, 14 Set (Inforpress) – O município do Porto Novo, Santo Antão, “espera e desespera”, há seis anos, pelo projecto agro-industrial, à volta de 23 milhões de euros, a cargo da empresa Aquasun Água e Energia, segundo o edil do Porto Novo.

Aníbal Fonseca disse acreditar que a demora na concretização deste projecto pode estar relacionada com “o nível de burocracia” em Cabo Verde, situação que, a seu ver, impede o País de “caminhar” e de aproveitar “o potencial que tem”.

“Esperamos e desesperamos, há seis anos, por um projecto que não saí. Não pode ser assim”, lamentou o autarca, admitindo que a burocracia que caracteriza a administração pública estará a condicionar a concretização deste investimento privado.

Agricultores têm estado, também, a incitar os promotores do projecto agro-industrial a avançarem com este investimento, pelo “grande impacto” que terá no sector agrícola local.

Hipólito Lima, porta-voz dos agricultores, disse à Inforpress que o projecto, pela sua dimensão, trará “grandes vantagens” para a agricultura no Porto Novo, mostrando-se, todavia, preocupado com os atrasos na implementação deste investimento.

O projecto consiste na instalação de uma usina solar fotovoltaica de grande escala com 6,8 MWp e uma unidade de dessalinização de água do mar de 3.500 metros cúbicos por dia para a agricultura.

Nos princípios deste ano, as associações de agricultores em Casa de Meio e Ponte Sul/Chã de Mato, zonas de implementação do projecto, receberam “garantias” dos investidores de que este projecto agro-industrial arrancaria em Maio, mas tal não se verificou ainda.

“Sim tínhamos essa garantia, mas há algum tempo que não temos recebido qualquer informação sobre este assunto”, avançou Hipólito Lima.

A empresa Aquasun Água e Energia, através do seu site, reafirma que este investimento vai ser realizado, sem, contudo, avançar a data para o seu início.

O projecto, que marcou presença, em Fevereiro deste ano, no Cabo Verde Investment Forum, na Expo 2020 de Dubai, se desenvolverá em 78 hectares de terrenos agrícolas nas zonas de Casa de Meio e Ponte Sul/Chã de Mato e engloba ainda a criação de uma cooperativa agroindustrial para processamento e certificados dos produtos.

JM/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos