Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Porto Novo: Autoridades locais e consumidores entendem que há condições para redução das tarifas de água dessalinizada

 

Porto Novo, 16 Mar (Inforpress) – As tarifas de água dessalinizada praticadas no Porto Novo, Santo Antão, consideradas “as mais elevadas” do arquipélago, preocupa a edilidade local e consumidores, que pressionam, nesta altura, a edilidade reguladora para reduzir o custo do liquido precioso.

Os responsáveis locais, que desde Janeiro tentam sensibilizar a Agência de Regulação Económica (ARE) a rever as tarifas de água dessalinizada, praticadas há mais de três anos no Porto Novo, entendem que estão criadas as condições para que se concretize tal medida, “muito aguardada” pelos consumidores.

O encontro de contas alcançado, em Janeiro, entre a edilidade porto-novense, Governo e Águas do Porto Novo (APN), empresa produtora, que permitiu reduzir, para pouco mais de 100 mil contos, as dividas do município com o abastecimento de água, e a interligação da unidade dessalinizadora à rede pública de electricidade, são medidas que, no entender das autoridades locais, permitam reduzir as tarifas.

“O fornecedor disse que há margem para baixar as tarifas, mas a ARE não está a agir”, avançou o vereador da edilidade local Valter Silva, para quem a entidade reguladora “já devia ter concretizado o processo de diminuição do custo de água” dessalinizada no Porto Novo.

A redução das tarifas de água dessalinizada, vistas pelos consumidores e pelo próprio município como sendo “muito elevadas”, está entre as principais aspirações dos porto-novenses para este ano de 2018.

Os consumidores, que pagam, por cada metro cúbico de agua, cerca 280 escudos, dizem aguardar, “há muito tempo”, pela redução do preço de água, esperando que, ainda nos primeiros meses deste ano, a ARE possa reduzir as tarifas.

O encontro de contas, já fechado entre o Governo, APN e o município do Porto Novo, consistiu na alienação ao Estado de Cabo Verde, por parte da autarquia, das redes eléctricas de média e baixa tensão em Chã de Mato/Ponte Sul, São Tomé (Sul) e Tarrafal de Monte Trigo, avaliadas em 52 mil contos.

Este montante recebido pela câmara do Porto Novo, por contra-partida da alienação dessas infra-estruturas eléctricas, permitiu a redução, para pouco mais de 100 mil contos, as dívidas para com APN, resultantes do fornecimento de água dessalinizada.

Por seu lado, a APN conseguiu reduzir, para 93 mil contos, as dívidas desta empresa para com o Governo, na sequência da execução do aval prestado na operação de um crédito junto à instituição bancária espanhola “La Caixa”, que permitiu a montagem, em 2007, da unidade dessalinizadora, num investimento estimado em 240 mil contos.

A APN admite que, com esse encontro de contas, e com a ligação da unidade de dessalinização à rede publica de electricidade, a cargo da Empresa de Electricidade e Água (Electra), existe, de facto, “alguma margem” que possibilita à empresa reduzir e vender a água mais barata à câmara do Porto Novo, desde que a ARE reveja as tarifas.

A ARE, que concorda que, efectivamente, as tarifas de água, praticadas no Porto Novo, são “elevadas”, garante estar a avaliar a situação, prometendo, “para breve” baixar as tarifas.

JM/JMV

Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos