Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

População da Praia e São Vicente não tem aderido ao Inquérito sobre Doenças Não Transmissíveis

Cidade da Praia, 18 Mar (Inforpress) – A coordenadora técnica do II Inquérito de Doenças Não Transmissíveis (IDNT) afirmou hoje que os objectivos delineados estão quase a ser alcançados, mas lamentou a fraca adesão e resistência por parte da população da Praia e São Vicente.

A coordenadora técnica adjunta do II Inquérito sobre Doenças Não Transmissíveis, (IDNT II), Emília Monteiro, que falava aos jornalistas, hoje, à margem da visita no terreno efectuada por uma equipa do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde, disse que os inquiridores estão a ter alguma dificuldade também na ilha do Sal.

Adiantou que até este momento, os resultados são “bons” sendo que os objectivos preconizados estão quase a ser alcançados.

“(…) Temos algumas ilhas e concelhos onde é mais difícil as pessoas aderirem ao inquérito nomeadamente Praia, São Vicente e alguma dificuldade no Sal mas conseguimos ultrapassar. Na Boa Vista, Brava, Mosteiros e Santa Catarina do Fogo conseguimos terminar antes do dia 22, último dia do inquérito”, referiu a coordenadora.

Avançou que devido à resistência das pessoas, o término será alargado para o dia 31 deste mês.

“Tivemos alguma resistência por parte da população mesmo com toda a divulgação feita não colaboraram, não conseguiremos tirar os dados de prevalência, mas estamos a trabalhar nisso para ver se conseguiremos ter números representativos também na Praia e São Vicente”, acrescentou.

Segundo a mesma fonte, a ideia é obter resultados e números representativos das ilhas e dos concelhos tanto para o questionário como para as amostras realizadas a nível da glicemia para determinar prevalência de hipertensão e diabetes.

Por seu turno, o representante da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Cabo Verde, Hernando Agudelo, mostrou a sua preocupação em relação ao aumento das doenças não transmissíveis, que, no seu entender, está relacionado com o aumento da idade da população, daí a necessidade de melhorar os hábitos de alimentação, mas também de assistência à saúde.

Com suporte técnico e financeiro da Organização Mundial de Saúde (OMS) em cerca de 15 mil contos, o inquérito teve início a 17 de Fevereiro com o apoio do Instituto Nacional de Estatística (INE), abarcando a faixa etária de 18 a 69 anos, tendo uma amostra aleatória de 7.108 entrevistados.

Os resultados do I IDNT, realizado em 2007, demonstram que 12 por cento (%) da população padece de diabetes e que a cifra dos hipertensos é de 35%.

AV/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos