Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Polícia Judiciária vai liberar ossadas de Edvânea Gonçalves para enterro neste sábado

Cidade da Praia, 13 Jul (Inforpress) – A Polícia Judiciária (PJ) vai liberar este sábado as ossadas da criança de Eugénio Lima, Edvânea Gonçalves, que estava desaparecida desde Novembro de 2017, para que os familiares possam fazer o funeral.

Esta informação foi avançada à Inforpress pela tia da criança, Geisa Semedo, para quem a família “está em estado de choque”.

O funeral acontece no mesmo dia em que iria completar oito meses do desaparecimento da menina.

Mas, conforme Geisa,  a família sempre acreditou que iria encontrar Edvânea com vida, principalmente seu irmão,  Vladmir Gonçalves, pai da menina.

“Em Janeiro, quando fomos ver as ossadas na localidade de Ponta Bicuda vimos a roupa dela e ficamos abalados. Mesmo assim, acreditávamos que poderia ser um engano ou armação de alguém que quisesse despistar a polícia”, disse.

Geisa Semedo acredita que pelo estado em que as ossadas se encontravam Edvânea Gonçalves foi morta nos dias em que ela desapareceu, mas garante que a família não tem quaisquer suspeitas de quem poderia ter tirado a vida da criança.

“Não temos inimigos e aqui toda a gente conhecia a Edvânea Gonçalves. Não sabemos quem poderá ter feito esta crueldade com ela”, declarou.

No entender desta tia, a demora em conhecer a verdade acabou por agudizar o sofrimento da família.

No entanto afirmou que as autoridades fizeram tudo o poderiam fazer, mas que o país, sustentou, “ainda não está preparado para este tipo de crimes”.

Esta notícia também deixou em estado de choque os familiares de Edine Jandira Robalo Lopes Soares, 19 anos, e seu bebé, desaparecidos desde 28 de Agosto de 2017  e ainda de Clarisse Mendes (Nina), de 10 anos, e Sandro Mendes (Filú), de 12, que também estão desaparecidos desde 03 de Fevereiro de 2018.

Alberto Lopes da Silva, bisavô do bebé que desapareceu junto com a mãe, garantiu que, apesar da tristeza de saber que Edivânea está morta, ainda tem esperanças de ver os seus entes queridos com vida.

“Edvânia não é a minha família. Eu conheci este caso pela televisão, mas choca-me como se fosse o meu bisneto e a minha neta Edine que desapareceram. Tenho fé e todos dias rezo para que eles voltem”, disse Alberto Lopes da Silva.

Mesmo sentimento tem Marcelina Lopes, avó de Nina e Filu, que pede uma prova divina de que os netos estão vivos.

“Peço para que Deus me dê uma prova tal como já deu para essa família da Edvânia, porque é triste ver alguém a desaparecer e nunca mais voltar”, declarou Marcelina.

Para esta avó, a polícia “tem feito um bom trabalho” em casos que “não são fácies de solucionar”, mas resta-lhe ainda a esperança de um dia poder ver de novo os seus netos.

CD/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos