Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Polícia de Hong Kong confirma detenção de líderes partidários por reunião ilegal

Hong Kong, China, 30 Ago 2019 (Inforpress) – A polícia de Hong Kong confirmou hoje a detenção de Joshua Wong e Agnes Chow, dois líderes pró-democracia do território, noticiou o jornal South China Morning Post.

De acordo com o jornal de Hong Kong, que cita fonte policial, os dois activistas foram acusados de “reunião ilegal” e detidos para interrogatório na sede da polícia em Wan Chai.

As detenções já tinham sido avançadas esta manhã pelo partido Demosisto, co-fundado por Wong, que defende a autodeterminação do território.

O mesmo jornal noticia ainda que o activista pró-independência Andy Chan foi detido na quinta-feira à noite, depois de ter sido impedido de embarcar num avião no aeroporto de Hong Kong, por suspeitas de motim e agressão a um agente da polícia.

Os três são vistos como figuras-chave dos movimentos antigovernamentais em Hong Kong nos últimos anos.

Na quinta-feira, a polícia de Hong Kong proibiu a manifestação e a marcha pró-democracia agendadas para sábado pelo movimento que tem liderado os protestos na ex-colónia britânica, sublinhando que quem desobedecer pode enfrentar até cinco anos de prisão.

A decisão das autoridades foi justificada à Frente Cívica de Direitos Humanos (FCDH) por razões de segurança, dada a natureza violenta que tem caracterizado desde o início de Junho muitas das manifestações em Hong Kong, segundo um documento à qual a agência Lusa teve acesso.

Wong, que chegou a ser indicado para o prémio Nobel da Paz em 2018 e que lidera o Demosisto, tinha sido libertado em Junho da prisão, na sequência das manifestações de 2014 em Hong Kong, conhecidas como a “Revolução dos guarda-chuvas”, uma campanha de desobediência civil que durou mais de dois meses e na qual se exigia o sufrágio universal na ex-colónia britânica administrada pela China.

Desde então, voltou a envolver-se num movimento pró-democracia “para fazer pressão sobre o Governo”, apostado “em mostrar ao mundo a determinação do povo de Hong Kong para lutar pela liberdade”, explicou, em entrevista à Lusa, no dia 20 deste mês.

O co-fundador do partido pró-democrata elogiou a decisão da chefe do Governo de criar uma plataforma de diálogo com a sociedade, mas colocou sérias dúvidas sobre a capacidade de Carrie Lam para a liderar.

“É uma boa decisão e boa oportunidade para as pessoas de Hong Kong encetarem um diálogo com os decisores de poder”, comentou.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos