Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

PM etíope defende que enchimento de barragem no Nilo Azul não vai afectar países a jusante

Nairobi, 09 Jul (Inforpress) – O primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, defendeu hoje que o enchimento da megabarragem no Nilo Azul “não irá infligir qualquer dano significativo” a Egipto e Sudão, que procuram ajuda internacional para resolver uma disputa sobre esta infra-estrutura.

A mensagem, publicada na plataforma Twitter por Abiy Ahmed, em árabe, surge um dia depois de Egipto e Sudão terem instado o Conselho de Segurança das Nações Unidas a empreender uma “diplomacia preventiva” e terem pedido um acordo juridicamente vinculativo para a resolução da disputa, noticia a agência Associated Press.

A Etiópia, por outro lado, insistiu que o assunto pode ser resolvido pela União Africana, uma posição apoiada por vários membros do Conselho de Segurança.

Egipto e Sudão remeteram para o fracasso de 10 anos de negociações e referiram que a Grande Barragem do Renascimento Etíope (GERD, em inglês) está a iniciar um segundo enchimento.

Cairo e Cartum apontam que tal viola um acordo de 2015 e representa uma “ameaça existencial” para 150 milhões de pessoas nas duas nações a jusante.

Actualmente, a GERD está 80% concluída, esperando-se que atinja a plena capacidade de produção em 2023, o que a tornará na maior central hidroeléctrica africana e a sétima maior do mundo, segundo órgãos de comunicação social estatais.

O ministro da Água da Etiópia, Seleshi Bekele Awulachew, defendeu o enchimento do reservatório, argumentando que faz parte da construção da barragem e que o Conselho de Segurança da ONU não deve ser envolvido.

O ministro dos Negócios Estrangeiros egípcio, Sameh Shukry, reiterou que as acções da Etiópia ameaçam a segurança do Egipto e do Sudão.

Após o fracasso das últimas rondas negociais, realizadas entre 04 e 06 de Abril sob os auspícios da presidência rotativa da União Africana, a Etiópia disse que iria avançar com o processo de enchimento da GERD e que fez uma oferta ao Egipto e ao Sudão para facilitar a troca de informações sobre o processo, que ambos os países rejeitaram.

Cairo e Cartum, por sua vez, alertaram Adis Abeba sobre a tomada de qualquer “acção unilateral”, afirmando que, nessa eventualidade, “todas as opções estarão abertas”.

Os dois Estados consideram que o processo de enchimento da barragem pode afectar gravemente os níveis de água do Nilo nos seus respectivos troços.

A Etiópia, por sua vez, considera que o projecto é estratégico para o seu desenvolvimento, tanto em termos de irrigação, como em termos de produção de electricidade.

Agora, uma nova declaração de Abiy Ahmed afirmou que a barragem “pode servir como fonte de cooperação” entre os três países e que esta representa “uma pequena porção do fluxo de água”.

A GERD, avaliada em mais de 4 mil milhões de dólares (mais de 3,5 mil milhões de euros), deverá recolher 13,5 mil milhões de metros cúbicos de água do rio Nilo Azul durante a época chuvosa, aumentando a reserva para 18,4 mil milhões de metros cúbicos, segundo este departamento governamental.

O Nilo Azul, rio que conflui com Nilo Branco e com o rio Atbara, é um dos principais contribuintes do rio Nilo, sendo responsável, durante a estação chuvosa, por até cerca de 80% da água deste último.

Sudão e Egipto temem que a construção do projecto, que vai permitir à Etiópia gerar 6.000 megawatts de electricidade, coloque o caudal do rio Nilo sob o controlo da administração etíope.

Com cerca de 6.000 quilómetros, o rio Nilo é uma fonte vital para o abastecimento de água e electricidade para cerca de 10 países da África Oriental.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos