Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

PERFIL: Sebastião Monteiro “Betchinha” construiu já mais de mil tambores desde que abraçou a profissão em 1983

Porto Novo, 04 Abr (Inforpress) – Sebastião Monteiro, conhecido no mundo artístico por “Betchinha”, exímio fabricante de tambores, já construiu, desde 1983, quando iniciou a profissão de artesão, “mais de mil tambores”, objecto típico das festas de romarias em Santo Antão.

Segundo este artesão, residente no Porto Novo, para muitos “um mestre” da arte santantonense, os tambores que fabrica, de diversos tamanhos (mínimos, médios e grandes), estão espalhados pelo mundo inteiro, já que, além de Cabo Verde, o seu tambor é adquirido, também, por muitos emigrantes cabo-verdianos.

Desde pequeno “fascinado” pelo tambor, este artesão, já com os seus 68 anos, ainda consegue fabricar uma média de dez tambores por dia, desde que tenha todos os materiais para o efeito.

“Betchinha”, também, uma das mais destacadas figuras das festas de São João, no Porto Novo, tem sido muito solicitado para “dar formações” a crianças e jovens “interessados em aprender a fazer tambores”, e gostaria de montar uma escola de confecção deste objecto feito de madeira e pele de animais.

Já esteve em várias escolas em Santo Antão e São Vicente, a ministrar formações e espera, um dia, concretizar o projecto de criação de uma escola de confecção de tambores, estando à espera do apoio das autoridades locais e nacionais ligadas à cultura.

A pedido da comunidade cabo-verdiana em Luxemburgo, este artesão já esteve nesse pais europeu, para transmitir os seus conhecimentos aos emigrantes.

Natural da Ribeira da Torre, no concelho da Ribeira Grande, “Betchinha”, que vive na cidade do Porto Novo, desde 1975, começou a fabricar tambores em 1983, como “um passatempo”.

Mas, graças ao incentivo dos amigos, deu conta que podia apostar na confecção de tambores, “como um meio de vida”, além de impedir que essa tradição caísse no esquecimento.

Porto Novo tem, desde Dezembro de 2017, uma associação de artesões.
JM/JMV
Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos