Percursos pedestres da Ilha de Santiago vão ter extensão de 340 quilómetros e 27 rotas complementares

Cidade da Praia, 18 Fev (Inforpress) – O projecto de marcação de rede de percursos pedestres da Ilha de Santiago vai ter uma extensão de 340 quilómetros, 27 rotas complementares e com ramificações em todos os municípios, foi hoje anunciado.

A apresentação do projecto, avaliado em cerca de 10 mil contos, aconteceu esta sexta-feira, na Cidade da Praia, pelo Instituto do Turismo de Cabo Verde (ITCV) e pelo consórcio responsável pela sua execução, que aponta a marcação física final dos percursos para o mês Junho.

Em declaração aos jornalistas, o representante do consórcio de execução do projecto, Bruno Rodrigues, precisou que se trata de um percurso que liga a Ilha de Santiago de Norte a Sul, ligando o Tarrafal à Cidade Velha, passando por Rui Vaz, Assomada e Serra Malagueta.

“Dessa linha estruturante vão sair vários percursos de ligação, que juntam essa espinha dorsal a outras localidades como Pedra Badejo, Calheta e Cidade da Praia, assim como vários percursos complementares que ligam zonas de potencial histórico, cultural e natural”, acrescentou.

Essa rede de percursos pedestre, ajuntou Bruno Rodrigues, integra ainda os caminhos já existentes nos parques naturais, “perfazendo uma proposta de 340 quilómetros de extensão que permitirá percorrer toda a ilha de Santiago e toda a sua tradição”.

“A intenção é que esses percursos se complementam uns aos outros, permitindo que turistas, com vários interesses, possam complementar os seus gostos ao longo de toda a ilha”, indicou.

Bruno Rodrigues informou que a marcação física dos caminhos vai ser iniciada no final do mês de Abril e concluída em Junho, com a apresentação formal de todos os percursos.

Para a sua identificação e marcação, o responsável adiantou que contou com o envolvimento da população e instituições locais, indicadas pelo Instituto do Turismo.

Por sua vez, a presidente do ITCV, Ester Carvalho, disse que este projecto se insere na lógica da diversificação da oferta turística, uma vez que, conforme observou, o turismo em Cabo Verde está centrado no monoproduto de sol e praia e concentrado nas ilhas do Sal e da Boa Vista.

“No novo programa operacional do turismo nós pretendemos chegar às outras ilhas, designadamente, Santiago, Santo Antão e outras com vocação para o turismo de natureza “, esclareceu Ester Carvalho, considerando que a identificação dos percursos terrestres em Santiago “já se fazia sentir há muito tempo”.

Para a divulgação do projecto, informou que o ITCV já construiu um sistema de informação geográfica onde serão incluídos as rotas principais e os percursos complementares de Santiago, bem como de São Nicolau, que foi a primeira ilha a ter percursos pedestres identificados.

Este projecto está inserido na visão do Governo no que diz respeito ao desenvolvimento do turismo assente na valorização dos recursos turísticos, principalmente dos caminhos vicinais, com o objectivo de posicionar Cabo Verde na rota internacional de turismo de natureza bem como na diversificação e desconcentração da oferta turística e no estímulo à economia local.

OM/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos