Pelo menos 328 mortos e quase 15.000 detidos nos protestos no Irão

Dubai, Emirados Árabes Unidos, 10 Nov 2022 (Inforpress) – Pelo menos 328 pessoas foram mortas e 14.825 detidas nos protestos no Irão desencadeados pela morte de uma mulher em 16 de Setembro após ser detida pela polícia de costumes, avançou hoje o grupo Activistas dos Direitos Humanos.

Segundo o grupo, que acompanha os protestos há 54 dias, o anúncio do número de vítimas visa enfrentar o silêncio mantido pelo Governo do Irão há várias semanas e as informações avançadas pela imprensa estatal, que garante que as forças de segurança não mataram ninguém.

As manifestações, que são já consideradas a maior ameaça ao regime teocrático do Irão desde a Revolução Islâmica, em 1979, deverão intensificar-se nos próximos dias, à medida que as pessoas vão para as ruas para marcar o luto dos 40 dias pelos primeiros manifestantes mortos, uma cerimónia comum em vários países do Médio Oriente.

Apesar de o Governo e o Exército terem renovado as ameaças contra a dissidência local e o mundo em geral, as várias cerimónias do luto dos 40 dias ameaçam tornar os protestos em confrontos cíclicos entre um público cada vez mais desiludido e as forças de segurança que recorrem a uma violência cada vez maior.

No dia 26 de Outubro, quando se assinalou o 40º dia desde a morte da jovem Mahsa Amini, centenas de pessoas reuniram-se à frente do seu túmulo, apesar de o gabinete do governador provincial ter anunciado que “a família não ia assinalar a data”.

O dia foi assinalado com vários protestos, sobretudo em universidades.

Vídeos divulgados hoje na internet a partir do Irão – apesar dos esforços do Governo para suprimir a internet – mostram manifestações em Teerão e outras cidades, onde é possível ver o uso de gás lacrimogéneo contra gritos de “Morte ao Ditador”, um canto que se tornou comum nos protestos contra o líder supremo do Irão, Ali Khamenei.

Não ficou imediatamente claro se houve feridos ou detidos nestes protestos, embora a agência de notícias estatal iraniana IRNA tenha reconhecido as manifestações como sendo as de Isfahan.

Entretanto, o comandante da Força Aeroespacial da Guarda Revolucionária Islâmica, Amir Ali Hajizadeh, anunciou hoje, sem apresentar provas, que as suas forças adquiriram mísseis hipersónicos.

Os mísseis hipersónicos voam a uma velocidade cinco vezes superior à velocidade do som, representando uma ameaça aos sistemas de defesa antimísseis.

Acredita-se que a China e os Estados Unidos estejam a tentar adquirir este tipo de armas, enquanto a Rússia afirma já estar a colocá-las em campo e garante que já as usou na Ucrânia.

O Irão culpa a Arábia Saudita, o Reino Unido, Israel e os EUA por fomentarem distúrbios no país, tendo os responsáveis do Governo avisado que a “paciência pode esgotar-se” numa ameaça velada a estes países.

Mahsa Amini morreu num hospital em 16 de Setembro, três dias após ser detida pela polícia da moralidade por usar o véu islâmico alegadamente de forma incorreta. Desde então, os protestos mantêm-se, sendo duramente reprimidos pelas forças de segurança.

A indignação no Irão pela morte de Mahsa Amini provocou a maior onda de protestos contra o Governo desde as manifestações contra o aumento dos preços da gasolina de 2019, num país rico em petróleo.

Inforpress/Lusa

Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos