Pelo menos 20 mortos em protestos pró-democracia em Essuatíni – Amnistia

Joanesburgo, 03 Jul (Inforpress) – Pelo menos 20 pessoas foram mortas pelas forças de segurança em Essuatíni e 150 foram hospitalizadas com ferimentos de bala, durante os intensos protestos pró-democracia neste país, a última monarquia absoluta de África, segundo a Amnistia Internacional (AI).

A organização denuncia também diversos desaparecimentos, torturas e detenções ilegais, admitindo que o total de mortes pode ser de “dezenas” nas últimas semanas, segundo nota divulgada na noite de sexta-feira, citada pela Efe.

“O Governo de Essuatíni adoptou uma repressão brutal aos direitos humanos em resposta aos protestos pró-democracia”, destacou o director da AI para a África do Sul e Oriental, Deprose Muchena, citado no comunicado.

A organização de defesa dos direitos humanos, que afirma ter a confirmação de “fontes oficiais” de mais de 20 mortos, também criticou duramente o corte do acesso à internet no país e pediu investigações independentes à brutalidade policial.

“Embora tenha havido actos de violência associados aos protestos, as autoridades deveriam ter respondido de forma diferenciada e proporcionada e respeitar o direito de reunião pacífica”, realça a AI.

O país já recebeu mensagens críticas da vizinha África do Sul pela dura repressão aplicada e organizações internacionais, como a representação da União Europeia para Essuatíni ou a Comissão da União Africana, expressaram a sua preocupação nos últimos dias e pediram às partes “diálogo” e o fim da violência.

Na sexta-feira, a Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC) também falou em termos semelhantes e anunciou a mobilização de uma delegação de ministros para visitar o Essuatíni.

Uma onda de protestos pró-democracia abalou o Essuatíni nas últimas semanas para exigir reformas políticas e gritar contra a brutalidade com que qualquer tentativa de dissidência na última monarquia absoluta na África é reprimida.

Pelo menos outros cinco manifestantes morreram por ferimentos de balas e 50 ficaram feridos, segundo denunciaram fontes da oposição, na sexta-feira.

As mobilizações tornaram-se especialmente violentas desde a última segunda-feira, com saques, incêndios de camiões, campos e prédios e graves confrontos entre manifestantes e forças de segurança.

Em resposta, o governo ordenou um toque de recolher, cortou a internet e colocou o exército nas ruas.

O Essuatíni, onde residem mais de mil cidadãos portugueses, está sob o comando absoluto de Mswati III desde 1986 e tem pouco mais de um milhão de habitantes, a maioria deles jovens.

Em Abril de 2018, o próprio monarca decidiu mudar o nome oficial do país, substituindo o nome oficial em inglês da Suazilândia por Eswatini (Essuatíni), que na língua local significa “o lugar do suazi” (grupo étnico majoritário).

Além da falta de direitos e liberdades no nível político, o país enfrenta altos níveis de pobreza e uma alta prevalência de problemas de saúde como tuberculose e HIV.

Inforpress/Lusa/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos