Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Peças para reparação dos aparelhos de Raios X e mamografia do HBS já estão em São Vicente – Ministro

Cidade da Praia, 14 Jul (Inforpress) – O ministro da Saúde, Arlindo do Rosário informou hoje que as peças para a reparação dos aparelhos de Raio X e mamografia do Hospital Batista de Sousa (HBS) em São Vicente, já se encontram na ilha.  

A informação foi avançada no Parlamento quando o ministro respondia a uma questão da deputada da UCID, Dora Pires, no período de pergunta dos deputados ao Governo que classificou de preocupante a situação por que passa a população de São Vicente.

Conforme a deputada há mais de dois anos que a ilha esta sem o aparelho de raio X e mamografia no serviço de radiografia, existindo apenas um Raio X móvel para responder à demanda de todo hospital o que na sua perspectiva representa uma situação muito preocupante.

Para além disso, a deputada reclamou um aparelho de TAC no serviço público, salientando que a deslocação dos doentes, muitas vezes em estado crítico, para a realização de exames no privado, constituem riscos para os doentes.

“Se o privado tem e nunca estraga, sempre funciona, porque é que o público não tem”, questionou.

Em resposta, o ministro informou que as peças que estavam a faltar para a reparação tanto do raio X como da mamografia chegaram hoje, 14, à ilha de São Vicente.

“A informação que recebi é que até ao final do mês esta situação ficará ultrapassada”, disse o ministro, adiantando também que o aparelho de Raio X retirado de São Vicente para ser colocado na Boa Vista já regressou para ilha, depois de colocado um novo na Boa Vista.

Quanto ao aparelho TAC explicou que existe uma parceria entre público privado, que tem funcionado muito bem em São Vicente.

“Desse acordo há disponibilidade para a realização de TAC pelo hospital. São cerca de sete TAC mensais que o hospital utiliza para pessoas mais vulneráveis”, explicou.

Contudo, deixa abertura para uma discussão à volta do modelo actualmente existente, se deve ser mantido ou se se deve avançar para a aquisição de um TAC só para o serviço público.

O ministro salientou que é preciso falar também dos ganhos importantes obtidos ultimamente a nível dos cuidados primários de saúde e do diagnóstico centralizado na ilha.

MJB/HF

Inforpress/fim 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos