Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

PCA do CERMI defende consolidação dos ganhos alcançados na garantia da internacionalização do centro (c/áudio)

Cidade da Praia, 04 Mai (Inforpress) – O presidente do Centro de Energias Renováveis e Manutenção Industrial (CERMI), Luís Teixeira, defendeu hoje a importância de se apostar na consolidação dos trabalhos feitos e ganhos alcançados por forma a garantir a internacionalização do centro.

Luís Teixeira defendeu estas ideias, em entrevista à Inforpress, à margem da cerimónia de encerramento do Projeto “Reforço da Ancoragem Regional do Centro de Energias Renováveis e Manutenção Industrial de Cabo Verde – CERMI” (CVE/881), realizada esta terça-feira, na cidade da Praia.

Segundo este responsável, o referido projecto, que teve a duração de três anos e o objectivo principal de contribuir para o reforço da integração regional do sector energético, teve ganhos e resultados concretos para o CERMI e os países da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

“O projecto, cuja implementação foi da responsabilidade da Agência Luxemburguesa para Cooperação e Desenvolvimento (LuxDev) entre 2017-2021, foi financiado no montante de dois milhões de euros. A primeira grande actividade era acompanhar o CERMI no seu processo de transformação num centro de referência, e a segunda grande actividade era a implementação de um pacote de formação diversa em energias renováveis e eficiência energética”, especificou.

As acções de formação dos formadores, prosseguiu, contribuíram para o reforço das capacidades dos formadores em várias instituições em todos os países da CEDEAO e consequentemente para a melhoria do desempenho dos centros de formação, acrescentando que foram realizadas oito acções de formação técnica em francês e inglês.

Avançou que durante o processo de implementação do projecto foram capacitados mais de 140 técnicos dos 15 países da CEDEAO, salientando, no entanto, que a pandemia da covid-19 obrigou que fosse feita uma adaptação por forma a se garantir a realização de acções de formação à distância.

O presidente do CERMI destacou ainda os ganhos alcançados no que se refere ao reforço da internacionalização do centro, que, apontou, passou a ter mais visibilidade, reputação técnica e prestígio junto dos PALOP, mas também dos países da CEDEAO.

“O projecto de internacionalização do CERMI não para por aqui é preciso consolidar todo o trabalho feito até agora, por isso, esperamos ter brevemente a segunda fase do projecto. A integração regional tem que ser no seu todo, por isso estamos a trabalhar no sentido de trazermos outras instituições da CEDEAO para o CERMI”, revelou.

Luís Teixeira indicou, por outro lado, a questão dos transportes e língua como alguns dos “grandes constrangimentos” registados durante a execução do projecto, lembrando que a garantia da transformação do CERMI, enquanto centro regional de referência, passa pelo domínio de línguas estrangeiras e a integração de formadores de instituições de outros países no referido centro.

O projecto enquadra-se no âmbito de um Programa Regional mais vasto, denominado “Melhoria da Governança do Sector Energético na África Ocidental (AGoSE-AO)”, que envolve todos os países da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e a Mauritânia.

O Programa AGoSE-AO, financiado pelo 11º Fundo Europeu para o Desenvolvimento (FED), tem como objectivo principal, contribuir para o reforço da integração regional do sector energético.

CM/ZS

Inforpress/Fim.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos