Agenda
Previsão de cobertura da Inforpress para esta quarta-feira 29 de Junho de 2022
Covid-19: Cabo Verde regista um óbito, 274 novos casos positivos e 297 recuperados
Conferência dos Oceanos: Planear o mar é planear o território nacional – ministro do Mar
Santo Antão: Funcionários do hospital regional revoltados com atraso de quatro meses no pagamento de subsídios de “vela”
Santo Antão: Funcionários do hospital regional revoltados com atraso de quatro meses no pagamento de “velas” Ribeira Grande, 28 Jun (Inforpress)- Vários funcionários do Hospital Regional João Morais (HRJM)estão revoltados por estarem com quatro meses de atraso no pagamento dos serviços de velas (horas extras), situação que segundo os mesmos arrasta desde o mês de Março. Os funcionários que procuraram à Inforpress para fazerem a denúncia pediram anonimato por “medo” de “possíveis ameaças” que podem sofrer. No entanto, conforme os mesmos trata-se de uma situação que não é a primeira vez que acontece o que, segundo os mesmos tem “prejudicado muito” até para “honrarem” os seus compromissos assumidos com terceiros. Estes alegam que estão “cansados” de ir ao gabinete da administração do hospital que tem sempre a “mesma desculpa” que tudo “depende” dos serviços centrais do Ministério da Saúde na Cidade da Praia. “Já ameaçamos fazer greve, mas mesmo assim somos ignorados até porque o sindicato que nos representa também só tem dado “show off” e nada fez para nos ajudar a resolver esta questão” pontuou. Neste sentido, estes funcionários “exigem” do Ministério da Saúde a regularização do pagamento do subsídio de velas, o “mais breve possível”, sob pena de partirem para outra forma de luta para a defesa dos seus direitos. “É um direito nosso, trabalhamos para receber as nossas velas e não vamos deixar isso por isso mesmo” garantiu. Por sua vez, o administrador do HRJM, Aníbal Miranda confirmou o atraso de quatro meses de vela desses funcionários que segundo o mesmo são contratados pelo ministério da saúde. “Temos noção da situação desses funcionários, mas infelizmente não temos nenhum feedback do ministério da saúde para quando o pagamento desse subsídio” acentuou. Já o secretário do Sindicato Livres dos Trabalhadores de Santo Antão, Carlos Bartolomeu alegou que “desconhece” esse atraso no pagamento das velas desses funcionários, e que, da última vez que tomou conhecimento o mesmo “interveio” pontualidade. Entretanto, Carlos Bartolomeu disse que ficou “extremamente triste” como o comportamento e “ingratidão” desses funcionários, e esclareceu que o SLTSA não tem “interesse” em dar “show off”. “Das outras vezes com situações semelhantes o SLTSA tentou por diversas vezes dialogar com o ministro da saúde sobre a situação desses funcionários, mas igualmente aos outros ministros do Executivo eles não dialogam, por conseguinte não tivemos algum feedback” justificou. LFS Inforpress/Fim
Next
Prev

Paul: Presidente da República apela à efectiva solidariedade entre todos para ajudar os que perderam rendimentos

Cidade das Pombas, Paul, 12 Jun (Inforpress) – O Presidente da República, José Maria Neves, apelou hoje, no Paul, a uma “efectiva solidariedade entre todos” como forma de ajudar as pessoas que, por causa da seca, da pandemia e da guerra, perderam empregos e rendimentos.

O apelo surge da constatação de que, neste momento, “as populações de todos os municípios passam por situações de dificuldades” que, segundo o chefe de Estado, “se acentuaram com todos esses anos de seca, com a pandemia e, agora, com as consequências da guerra na Ucrânia”.

José Maria Neves, que presidia à sessão solene comemorativa do dia do município do Paul e do patrono local, Santo António das Pombas, proferiu um discurso muito centrado nas conquistas do Poder Local democrático em Cabo Verde, cujo desempenho elogiou, no ano em que se comemoram os 30 anos da sua implementação no País.

“Celebrar o dia de um município é celebrar o municipalismo em Cabo Verde”, afirmou José Maria Neves considerando que o Poder Local em Cabo Verde é um marco, “existe um antes e um depois”, e contabilizam-se três décadas de um forte protagonismo local e regional “que tem contribuído, por um lado, para o reforço das instituições do Poder Local e, por outro lado, para melhorar a qualidade de vida dos cabo-verdianos”.

Segundo o Presidente da República, o municipalismo cabo-verdiano significou um grande avanço no desenvolvimento do País que, no caso de Santo Antão, teve um “ingrediente extra” consubstanciado numa forte cooperação intermunicipal, pelo que aproveitou a ocasião para saudar e prestar “uma singela homenagem aos autarcas santantonenses, de todos os momentos, pelo trabalho realizado em prol da ilha”.

A “intensa e produtiva” cooperação entre os três municípios da ilha de Santo Antão é, no dizer do mais alto magistrado da Nação, exemplar para os demais municípios e ilhas de Cabo Verde e permitiu a partilha de recursos e processos de desenvolvimento com ganhos de eficiência e eficácia beneficiando toda a ilha de Santo Antão.

José Maria Neves considerou que, mesmo num ambiente de grande escassez de recursos, os municípios cabo-verdianos têm feito um enorme esforço de modernização territorial e apoiado as comunidades em áreas sensíveis e de impacto sócio-económico, tais como, habitação, formação, assistência medicamentosa, evacuação de doentes, desporto, entre outras prestações sociais.

O chefe de Estado, que disse reconhecer a resiliência das câmaras municipais e os esforços do Governo e dos privados para garantirem os actuais postos de trabalho, desafiou as instituições implicadas a se esforçarem para garantir a todos os seus trabalhadores um salário que não fique abaixo do mínimo estabelecido na lei vigente.

A sessão solene comemorativa do dia do município do Paul e do orago local, Santo António das Pombas, realizou-se hoje, 12, mas o Presidente da República estará presente, também, nas solenidades religiosas, missa e procissão, presididas pelo bispo da Diocese de Mindelo, Dom Ildo Fortes, no encerramento das comemorações dos 225 anos da criação da paróquia de Santo António das Pombas.

HF/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Santo Antão: Funcionários do hospital regional revoltados com atraso de quatro meses no pagamento de “velas” Ribeira Grande, 28 Jun (Inforpress)- Vários funcionários do Hospital Regional João Morais (HRJM)estão revoltados por estarem com quatro meses de atraso no pagamento dos serviços de velas (horas extras), situação que segundo os mesmos arrasta desde o mês de Março. Os funcionários que procuraram à Inforpress para fazerem a denúncia pediram anonimato por “medo” de “possíveis ameaças” que podem sofrer. No entanto, conforme os mesmos trata-se de uma situação que não é a primeira vez que acontece o que, segundo os mesmos tem “prejudicado muito” até para “honrarem” os seus compromissos assumidos com terceiros. Estes alegam que estão “cansados” de ir ao gabinete da administração do hospital que tem sempre a “mesma desculpa” que tudo “depende” dos serviços centrais do Ministério da Saúde na Cidade da Praia. “Já ameaçamos fazer greve, mas mesmo assim somos ignorados até porque o sindicato que nos representa também só tem dado “show off” e nada fez para nos ajudar a resolver esta questão” pontuou. Neste sentido, estes funcionários “exigem” do Ministério da Saúde a regularização do pagamento do subsídio de velas, o “mais breve possível”, sob pena de partirem para outra forma de luta para a defesa dos seus direitos. “É um direito nosso, trabalhamos para receber as nossas velas e não vamos deixar isso por isso mesmo” garantiu. Por sua vez, o administrador do HRJM, Aníbal Miranda confirmou o atraso de quatro meses de vela desses funcionários que segundo o mesmo são contratados pelo ministério da saúde. “Temos noção da situação desses funcionários, mas infelizmente não temos nenhum feedback do ministério da saúde para quando o pagamento desse subsídio” acentuou. Já o secretário do Sindicato Livres dos Trabalhadores de Santo Antão, Carlos Bartolomeu alegou que “desconhece” esse atraso no pagamento das velas desses funcionários, e que, da última vez que tomou conhecimento o mesmo “interveio” pontualidade. Entretanto, Carlos Bartolomeu disse que ficou “extremamente triste” como o comportamento e “ingratidão” desses funcionários, e esclareceu que o SLTSA não tem “interesse” em dar “show off”. “Das outras vezes com situações semelhantes o SLTSA tentou por diversas vezes dialogar com o ministro da saúde sobre a situação desses funcionários, mas igualmente aos outros ministros do Executivo eles não dialogam, por conseguinte não tivemos algum feedback” justificou. LFS Inforpress/Fim

    Nova Sintra, 28 Jun (Inforpress) – O ministro da Saúde, Arlindo do Rosário, chega esta noite à ilha Brava para...

  • Galeria de Fotos