Partido Popular questiona política habitacional da Câmara Municipal da Praia

Cidade da Praia, 05 Jun (Inforpress) – O Partido Popular (PP) questionou a politica habitacional da Câmara Municipal da Praia, explicando que a estratégia municipal não tem beneficiado os munícipes.

O presidente do PP, Amândio Barbosa Vicente, em declarações à Inforpress, no âmbito da visita que realizou ao bairro de Alto da Glória, para se inteirar da situação habitacional da comunidade, explicou que a autarquia tem adoptado uma “política habitacional agressiva, destruindo as moradias dos cidadãos”.

Segundo apontou, os moradores manifestaram “indignação e protesto” quanto ao derrube de barracas clandestinas, atestando que “mais de 50 moradores têm dormido debaixo dos restos das construções”.

Conforme a mesma fonte, a construção de barracas clandestinas é ilegal sim, mas, entretanto, questionou se é ilegal a câmara “invadir as praias de mar na capital, invadir praças, vender terrenos para portugueses e espanhóis e prometer quatro lotes de terreno por ano e não fazer nada”, no âmbito de habitação.

“Há muita indignação, se o salário mínimo é de 13 mil escudos, porque vender terrenos 300 contos”, disse, ressaltando que nas eleições autárquicas, o presidente da câmara da Praia, Óscar Santos, “terá o que merece”.

Contudo, o PP sublinhou que vai pedir uma audiência com a autarquia no sentido de levar as preocupações das pessoas desalojadas.

HR/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos