Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Partido Popular entra na luta contra a concessão da Praça Igreja Nova Apostólica a um privado

Cidade da Praia, 26 Ago (Inforpress) – O Partido Popular (PP) iniciou hoje uma campanha de recolha de assinaturas para uma moção de protesto contra a edilidade praiense sobre o direito de superfície que concedeu a um particular na Praça Igreja Nova Apostólica, na Fazenda.

“O nosso objectivo é o de impedir mais um assalto a uma praça da nossa cidade”,  disse o líder do PP, Amândio Barbosa Vicente, que reitera não se sentir cansado nesta luta “em prol dos bens públicos”.

Em declarações à Inforpress,  no local onde decorre campanha, o presidente dos populares garantiu que, caso a Igreja Nova Apostólica não tivesse avançado com uma providencia cautelar para impedir o avanço dos trabalhos, o seu partido estaria disponível a fazê-lo.

Em menos de uma hora, segundo aquele dirigente político, mais de 50 pessoas já tinham assinado a referida moção de protesto, pelo que se mostrou “muito optimista” que os seus propósitos serão alcançados.

“Há muita adesão por parte das pessoas”, afiançou  Barbosa Vicente, acrescentando que a partir de hoje até ao dia 28 a sua equipa vai estar nas imediações da Praça da Igreja Nova Apostólica para sensibilizar os praienses em mais uma luta para a preservação do espaço público.

As assinaturas recolhidas vão ser entregues à Câmara Municipal da Praia, Governo, representações diplomáticas  e, eventualmente, ao parlamento.

A Praça da Igreja Nova Apostólica está envolta numa polémica porque o presidente da Câmara Municipal da Praia, Óscar Santos,  decidiu conceder o direito de superfície a favor de Magda Cardoso, proprietária  de um quiosque ali edificado,  segundo a edilidade, “há mais de 15 anos” com vista a construção de uma esplanada.

Por sua vez, o apóstolo da Igreja Nova Apostólica (INA), António Semedo, alega que a referida praça fora construída pela sua igreja, em 1993, numa parceira com câmara da Praia, e terá custado cerca de quatro mil contos.

Segundo aquele dirigente religioso, há muito tempo que vêm insistindo junto da edilidade praiense no sentido de conseguir uma autorização para  requalificar  o referido espaço, mas sem sucesso, porque, acusa, há “jogo sujo” neste processo.

A Inforpress apurou que os responsáveis da Igreja Nova Apostólica já entraram com uma acção judicial no Supremo Tribunal de Justiça para o embargo da obra, tendo verificado que nesta segunda-feira chegou uma máquina ao local para iniciar os trabalhos na praça.

LC/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos