Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Partido do PR Zelensky deverá vencer folgadamente legislativas na Ucrânia

Kiev, 19 Jul 2019 (Inforpress) – O ex-comediante e recém-eleito chefe de Estado da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, deverá garantir uma folgada vitória do seu partido nas legislativas de domingo, que elegerá para o parlamento uma nova vaga de deputados que se estreiam na política.

A única questão reside na capacidade do partido Servidor do Povo (Sluha Narodum, SN) de Zelensky garantir uma maioria que lhe permita governar sozinho, ou ser forçado a uma coligação com outra formação.

Ao prometer “quebrar o sistema”, Zelensky esmagou o seu antecessor, Petro Poroshenko – no poder entre 2014 e 2019 – com 73% de votos na segunda volta das presidenciais em Abril.

Na sua campanha, prometeu mudanças radicais nesta ex-república soviética de 42 milhões de habitantes, um dos países mais pobres da Europa, minado pela corrupção e envolvido num penoso conflito com os separatistas pró-russos do leste do país.

O ex-comediante e empresário de espectáculos, 43 anos e sem experiência política, dissolveu um parlamento que se revelou hostil e convocou legislativas antecipadas para beneficiar da vaga de popularidade e sem esperar pelo escrutínio previsto para Outubro.

Em Junho, e apesar de ainda não ter adoptado medidas fracturantes, um estudo referia que 67% dos ucranianos aprovavam a sua acção.

Uma sondagem divulgada na terça-feira pelo ‘think tank’ (fórum de discussão de ideias) não-governamental Centro Razumkov fornecia ao SN 41,5% das intenções de votos, seguido da Plataforma Opositora-Pela Vida dos pró-russos Yury Boyko e Viktor Medvedchuk, um aliado próximo do Presidente russo Vladimir Putin, com 12,5%.

Na terceira posição, com 8,8% surge o Golos (Voz) de Svyatoslav Vakarchuk, líder da banda rock Okean Elzy (Oceano Elzy), que ultrapassa o Solidariedade Europeia (YS), o partido de Poroshenko (8,3%). No entanto, um outro estudo credita o Golos com 4% das intenções de voto, insuficiente para entrar no parlamento.

No quinto lugar surge o Batkivschina (União pan-ucraniana ‘Pátria’), da ex-primeira-ministra Yulia Tymoshenko, com 7% dos votos, segundo a sondagem do Centro Razumkov.

As restantes formações não alcançam o mínimo exigido de 5% para obter representação parlamentar.

De acordo com a lei eleitoral, metade dos 450 deputados do parlamento unicameral (Verkhovna Rada, Rada Suprema) são eleitos durante cinco anos por escrutínio proporcional e os restantes por escrutínio maioritário a uma volta.

No entanto, 26 deputados não poderão ser designados na Crimeia, península anexada pela Rússia em 2014, e nos territórios do leste controlados pelos separatistas, onde o conflito já provocou mais de 13.000 nos últimos cinco anos.

O Servidor do Povo e o Golos optaram por privilegiar nas suas listas deputados mais jovens e sem experiência política, uma alteração sem precedentes num país onde o palco do poder foi sempre dominado, desde a independência em 1991, por políticos que se formaram na ex-URSS.

Especialistas admitem que até 75% dos deputados eleitos sejam estreantes nas lides parlamentares.

No início da semana, e ao perspectivar possíveis alianças pós-eleitorais, a ex-primeira-ministra Tymoshenko propôs ao partido de Zelensky a formação de uma coligação de forças pró-ucranianas e pró-europeias na Rada Suprema, mas sem representantes do anterior governo.

“Propomos, com independência e caso o Presidente tenha uma maioria, ou não, unir todos os partidos democráticos pró-europeus no parlamento”, assinalou a dirigente do Batkivschina em declarações num programa televisivo.

“Não considero o poder anterior como tal, porque existiam frases patrióticas e pró-europeias mas a política era corrupta e de empobrecimento”, referiu, numa alusão ao Bloco Petro Poroshenko, que controlava 144 lugares no parlamento.

Na anterior legislatura, iniciada em 2014 na sequência da revolta pró-europeia do Maidan, foi formada uma coligação com cinco partidos pró-europeus – onde se incluíam as formações de Poroshenko, de Timoshenko, ou a nacionalista Frente Popular, do ex-primeiro-ministro Arseniy Yatsenyuk –, mas que se desintegrou a partir de 2016.

O fim desta aliança permitiu a Zelensky justificar a convocação de legislativas antecipadas, uma decisão associada ao que definiu como uma crescente falta de confiança da população na Rada Suprema, hostil ao novo chefe de Estado.

De acordo com a Constituição ucraniana, o primeiro-ministro é designado pelo parlamento, sendo admissível uma coabitação no poder, e que seria um revés para Zelensky.

Perante este ameaça, o Presidente desencadeou diversas iniciativas, em particular a resolução do conflito no leste do país – manteve em 11 de Julho e pela primeira vez uma conversa telefónica com Putin –, que podem influir nos resultados eleitorais.

O Presidente ucraniano propôs previamente a ampliação do formato negociador do grupo da Normandia (Ucrânia, Rússia, Alemanha e França) com a entrada dos Estados Unidos e Reino Unido. E Putin já referiu que não se opõe à proposta.

Uma importante troca de prisioneiros entre as duas partes, incluindo os 24 marinheiros ucranianos detidos no Mar de Azov em Dezembro, está também a ser discutida entre as duas partes.

Em paralelo, Zelensky lançou uma ofensiva contra Poroshenko e membros do seu governo, para que sejam impedidos de exercer cargos públicos, ao alegar um “diagnóstico desolador”.

Um novo projecto-lei prevê o afastamento de altas funções de todos os que exerceram cargos de responsabilidade entre 23 de Fevereiro de 2014 e 19 de Maio de 2019 (o período presidencial de Poroshenko), e que não apresentaram a sua demissão.

O ex-Presidente referiu-se a uma proposta “inspirada por forças anti-ucranianas” e considerou que a lista de pessoas que se pretendem inabilitar é semelhante “aos que foram submetidos a sanções pelo Estado agressor por defender a Ucrânia”, numa referência à Rússia.

Na opinião de Poroshenko, o projecto-lei de Zelensky “é uma prova da vingança pró-russa, porque pretende substituir políticos patriotas por marionetas que cumprem as ordens do Kremlin”.

Perante estas divergências insanáveis, o controlo do parlamento será decisivo para o novo Presidente, e mesmo que a inexperiência de muitos candidatos esteja a suscitar dúvidas sobre a sua eficácia para lidar com os inúmeros problemas políticos, económicos e sociais do país.

Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos