Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Parlamento: “Governo tem que apresentar provas de que não foram utilizados recursos do Estado nas eleições” – UCID

Cidade da Praia, 30 Out (Inforpress) – A União Cabo-verdiana Independente Democrática (UCID, oposição) pediu hoje ao Governo para apresentar as provas de que não foram utilizados recursos do Estado nas últimas eleições autárquicas, tendo solicitado a intervenção da CNE

A intervenção foi feita pelo deputado da UCID João Santos Luís, durante uma declaração política do partido, explicando que as eleições têm sido “marcadas pelo poder económico e não pelas ideias e propostas dos candidatos”.

Disse esperar que a Comissão Nacional de Eleições (CNE) investigue de onde veio “tanto dinheiro”, pois diz haver “provas claras” de que “o poder económico teve grande influência nos resultados, de forma negativa”.

Conforme João Santos Luís, houve um “défice organizacional” e “falta de aplicação prática” das deliberações da CNE e do código de conduta por “todas as candidaturas e candidatos”.

“Constatamos violações das leis, e falta de transparência com compras de consciência, condicionamento de cidadãos para exercerem os seus direitos de voto, utilização de dados pessoas de cidadãos, sem autorização dos mesmos”, denunciou.

João Santos Luís referiu ainda que houve “actos até violência baseada no género”, tendo sido registado um caso na ilha de São Vicente, alegadamente de “um candidato da lista de Augusto Neves  contra uma candidata da lista da UCID”, isso, sublinhou, “na presença da Polícia Nacional”.

“Havia eleitores cujos seus nomes apareceram para votarem na Itália, em Coimbra. Temos informações de que pessoas afectas ao candidato Augusto Neves com 200 bilhetes, impedindo assim cidadãos de votarem”, acusou João Santos Luís.

O deputado da UCID reiterou também que o Código Eleitoral precisa de uma reforma, visto que a aplicação prática das normas “não está sendo respeitada”.

“Precisamos de um código que pune severamente candidaturas que violem leis eleitorais”, assinalou.

HR/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos