Parlamento: Governo assume compromisso de maior proximidade e confiança com a diáspora cabo-verdiana

Cidade da Praia, 11 Mai (Inforpress) – O ministro das Comunidades, Jorge Santos, assumiu hoje o desígnio do Governo em atribuir centralidade à diáspora cabo-verdiana, estabelecendo uma relação de proximidade e confiança.

Jorge Santos defendeu esta posição durante a abertura do debate parlamentar, explicando que a nova conectividade funcional que o executivo pretende imprimir entre as comunidades e Cabo Verde “exige a construção de um novo paradigma” de interacção e de comunicação com a diáspora.

“A nossa diáspora é um os principais estabilizadores sociais e económicos do nosso país”, disse, apontando que as contribuições económicas e financeiras directas e indirectas representam um valor estimado “superior” a 25 por cento (%) do Produto Interno Bruto (PIB), superando a ajuda pública ao desenvolvimento e ao próprio investimento directo estrangeiro.

“É de realçar que as transferências financeiras da nossa diáspora são um dos mais importantes activos e fluxos de financiamento da nossa economia”, reforçou.

Na sua intervenção, o ministro referiu que as estatísticas do Banco de Cabo Verde, de 2011 a 2020, mostram que as transferências dos emigrantes representaram em média 15% do PIB e em 2021 as remessas correntes atingiram o valor de 25. 833.000 contos (281 milhões de dólares), representando um aumento de mais de 22% em relação a 2020.

“Estas remessas de 2021, financiaram 44% do total do défice comercial de bens e representou 16% do PIB. O investimento directo da diáspora atingiu em 2021 os quatro milhões de contos”, informou, acrescentando que esses dados espelham bem a dimensão económica e social da diáspora cabo-verdiana e a confiança no País e suas Instituições.

Conforme Jorge Santos, os desafios do Governo passam por trabalhar e construir instrumentos de protocolização de um “take-off” geral de Cabo Verde com a sua diáspora, desenvolver também acções que permitam inaugurar um novo paradigma e novas formas de relacionamento com base em novas políticas de diálogo.

Por outro lado, continuou, implementar, a curto prazo, o Portal das Comunidades Cabo-verdianas, para que se traduz num “instrumento agregador” de serviços disponibilizados ‘online’ e informação, “indispensável” para se garantir a conectividade funcional entre Cabo Verde e as suas comunidades.

“Intensificar e desenvolver o “Programa de Captação de Talentos” na imensa diáspora, visando a atração de conhecimento e saber”, atestou.

O debate com o ministro das Comunidades arranca a primeira sessão parlamentar de Maio, sendo uma proposta do Movimento para a Democracia (MpD, poder).

HR/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos