Parlamento: António Monteiro classifica atitude de Jorge Santos de “terrível” para um Estado de direito democrático

Mindelo, 25 Nov (Inforpress) – O deputado António Monteiro classificou hoje a decisão do presidente da Assembleia Nacional de suspender o seu mandato em plena sessão parlamentar de acto de “revanchismo e ódio” e “terrível” para um Estado de direito democrático.

Com efeito, na manhã de hoje, durante o debate dos deputados com o primeiro-ministro, no parlamento, o presidente da Assembleia Nacional, Jorge Santos, impediu o deputado António Monteiro, eleito pelas listas da União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID) pelo círculo de São Vicente, de participar no debate pelo facto, justificou Santos, de ele (Monteiro) ter sido investido como vereador.

Posteriormente, no entanto, Jorge Santos reverteu a decisão, citou a lei no quesito das incompatibilidades, permitiu que o deputado “regressasse ao parlamento”, mas mesmo assim, António Monteiro convocou a imprensa para reagir à atitude do presidente da Assembleia Nacional e de “alguns deputados e membros do MpD”, que “deplorou”.

“Tudo o que foi feito é manifestação de ódio relativo à minha pessoa, de tentativa de assassinato político e que demonstra que apesar destes anos da chamada democracia entre aspas estamos muito longe da democracia”, declarou o deputado e, também, presidente da UCID.

“Estamos a falar de alguns deputados e de alguns elementos do MpD que se dizem donos da democracia”, concretizou a mesma fonte, para quem “está explicado” o receio de cidadãos em participar na vida política/partidária e terem medo de assumir posições públicas.

“Está ali um quadro bem definido”, reforçou, lembrando que de 2008 a 2011 foi vereador e deputado municipal e em “nenhum momento” foi questionado “porque está na lei”, daí questionar a legitimidade do presidente da Assembleia Nacional e deputados do MpD em suspender o seu mandado, prerrogativa, continuou, que é da Comissão Permanente da Assembleia Nacional, “que não foi convocada para o efeito”.

António Monteiro reiterou que a decisão de Jorge Santos “foi conivente” com o Governo porque ouviu a manifestação de um membro do Governo a dizer “exactamente” na sequência do anúncio de Jorge Santos de que o mandato do deputado Monteiro estava suspenso.

“Ouvi na sessão e já voltei a ouvir umas cinco vezes e está lá a voz do membro do Governo”, reforçou o deputado, sem, no entanto, mencionar o nome do governante.

Por fim, António Monteiro mostrou-se convencido de que está “montando um cenário” para o seu “assassinato de carácter e político”.

“Mas não vão conseguir porque a partir de agora vou reforçar a minha posição política, ou seja, se antes era brando, agora vou ter uma postura completamente diferente”, finalizou, sem antes remarcar que a “democracia cabo-verdiana coma atitude de Jorge Santos e de alguns deputados e membros do MpD está seriamente comprometida”.

AA/DR

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos