Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Parceria especial UE/Cabo Verde: Jorge Fonseca sugere introdução do pilar de investimento, crescimento e emprego

Cidade da Praia, 10 Abr (Inforpress) – O Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, sugeriu hoje a introdução de mais um pilar na parceria especial entre União Europeia e Cabo Verde, concretamente o pilar de investimento, crescimento e emprego.

Jorge Carlos Fonseca, que falava numa conferência conjunta com o seu homólogo português, Marcelo Rebelo de Sousa, que se encontra de visita a Cabo Verde, disse que o arquipélago cabo-verdiano quer explorar todas as formas de aproximação e cooperação, sendo certo que a pretensão não é de ser membro da UE.

De acordo com Jorge Carlos Fonseca, um exemplo da ideia de Cabo Verde do alargamento da parceria já existente com a EU “é que seria importante para além dos pilares já existentes introduzir um outro pilar: investimento, crescimento e emprego”, sugeriu sublinhando que a pretensão de Cabo Verde é de aprofundar e alargar até ao limite da pertença.

No momento em que muito se fala da questão da mobilidade, da isenção de vistos de entrada em Cabo Verde a cidadãos provenientes da UE e do alargamento do espaço Schengen, Jorge Carlos Fonseca reiterou a sua ideia de que essa mobilidade se possa dar nos dois sentidos, isto é, que os cabo-verdianos possam entrar também na Europa sem visto.

“Do meu ponto de vista este é um dossier muito complexo. O processo de negociações está em curso e isso deve corresponder a uma visão estratégica, uma visão de longo prazo e para Cabo Verde. Qualquer passo que se dê no plano da mobilidade da segurança temos de ter sempre em conta os interesses do Estado de Cabo Verde”, notou.

O Presidente português Marcelo Rebelo de Sousa concorda que a questão da mobilidade é uma matéria sensível, mas garantiu que neste domínio e em outros, Portugal acompanha apoiando a pretensão de Cabo Verde, não esquecendo os debates em curso na UE.

Contudo, alertou que não menos essencial que a mobilidade é o crescimento económico que na sua perspectiva pressupõe uma solidez financeira interna e externa. Neste particular destacou a ligação entre a moeda cabo-verdiana e o euro, para o qual Portugal deu um contributo fundamental.

Este é um elemento que não tem sido dado muita atenção, mas que é um elemento fundamental.

A parceria especial entre UE e Cabo Verde completa em 2017 dez anos de existência e enforma seis pilares, designadamente boa governação, segurança e estabilidade, sociedade de conhecimento, luta contra pobreza, integração regional e convergência técnica e normativa.

MJB/FP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos