Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Papa promete “as medidas mais firmes” contra padres que abusaram de menores

 

Cidade do Vaticano, 21 Set (Inforpress) – O papa Francisco prometeu hoje responder com “as medidas mais firmes possíveis” aos casos de padres que violaram ou molestaram crianças e responsabilizar os superiores religiosos que os encobriram.

Francisco, que se reuniu hoje pela primeira vez com a comissão sobre abusos sexuais, anunciou que, daqui para frente, quando for provado que um religioso abusou de um menor, o acusado não poderá apresentar nenhum recurso e nunca será agraciado.

O papa, que tinha um discurso escrito, acabou por colocá-lo de lado para falar de algumas das preocupações que a questão suscita.

“A consciência da Igreja chegou um pouco tarde e quando a consciência chega tarde, os meios para resolver o problema chegam tarde”, disse Francisco.

“Talvez a velha prática de mudar as pessoas de um lado para o outro em vez de confrontar o problema tenha mantido as consciências adormecidas”, acrescentou.

O papa admitiu também que há atrasos na análise dos processos, afirmando que eles devem ser avaliados pela Congregação para a Doutrina da Fé, mas que é necessário contratar mais pessoas para “classificar os processos”.

Francisco recusou por outro lado aceitar o prolongamento injustificado dos processos, afirmando que “se há provas, ponto final, [a sentença] é definitiva”.

Da mesma forma, defendeu, alguém condenado por abuso sexual de menores “nunca” pode ser agraciado. Quem comete estes crimes, “está doente”, e “dois anos passados pode voltar” a cometê-los.

Francisco reuniu-se hoje pela primeira vez com a comissão sobre abusos sexuais, criada em 2014 para aconselhar a Igreja Católica e o seu líder sobre as melhores práticas para afastar os pedófilos do sacerdócio e proteger as crianças.

A comissão, oficialmente designada Pontifícia Comissão para a Tutela de Menores, tem realizado sessões de trabalho em dioceses de todo o mundo, mas encontrou tal resistência na administração do Vaticano que o seu membro mais destacado, Marie Collins, vítima de abuso sexual na infância, se demitiu em Março.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos