Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Papa pede “nova cultura” para tratar doentes porque não são apenas números

Cidade do Vaticano, 01 Fev (Inforpress) – O Papa Francisco pediu hoje uma “nova cultura” na preparação dos agentes de saúde, frisando que “o doente não é um número” e merece humanidade por parte de quem o cuida.

Num encontro com médicos e outros funcionários de uma fundação italiana realizado no Vaticano, Francisco defendeu que a “preparação técnica e moral” dos profissionais de saúde precisa de acompanhar as mudanças sociais, económicas e políticas que afectam “o tecido em que se apoia a vida dos hospitais e estruturas de saúde”.

“O doente não é um número. É uma pessoa que precisa de humanidade”, enquanto o único objectivo dos “sistemas de saúde” é “a componente económica e financeira”, declarou o Papa, citado pela agência Ecclesia, no encontro mantido hoje de manhã com os trabalhadores do Grupo Vila Maria Cuidado e Pesquisa.

Francisco defendeu “espírito de serviço e atitude de generosidade e sensibilidade” entre a classe, que deve estar próxima das pessoas doentes e contribuir para “humanizar a medicina e a realidade hospitalar e de saúde”.

Numa missa realizada da parte da tarde a propósito do XXIV Dia Mundial da Vida Consagrada, Francisco alertou para o perigo da rotina e do pragmatismo entre os religiosos, que cultiva “a tristeza e o desânimo, que degeneram em resignação”.

O líder da Igreja Católica apontou aos religiosos que “a pobreza não é um esforço titânico, mas uma liberdade superior” e que “a castidade não é uma esterilidade austera, mas o caminho para amar sem se apoderar”.

Do mesmo modo, “a obediência não é disciplina, mas a vitória, no estilo de Jesus, sobre a anarquia”, referiu, indicando que entre os que praticam a vida consagrada – religiosos ou leigos que vivem em ordens religiosas ou congregações – há uma “tentação que paira” e que procura “sucesso e consolação afectiva”.

Para o Papa, essa tentação leva a que se reivindiquem “espaços próprios e direitos próprios”.

“Deixamo-nos cair em críticas e murmúrios, indignamo-nos pela mais pequena coisa que não funcione e entoamos a ladainha da lamentação acerca dos irmãos, das irmãs, da comunidade, da Igreja, da sociedade”.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos