Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Papa Francisco pede “esforço comum” para “diálogo” na crise de Essuatíni

Cidade do Vaticano, 04 Jul (Inforpress) – O Papa pediu hoje “um esforço comum” pelo “diálogo” no Essuatíni, antiga Suazilândia, onde pelo menos 20 pessoas morreram e 150 foram hospitalizadas durante os intensos protestos pró-democracia no país.

Depois de registar as “notícias de tensões e violência” no Essuatíni, Francisco referiu-se tanto a quem “tem responsabilidade” pela nação africana como a “quem exprime as suas aspirações para o futuro do país”.

O Papa pediu a todos um “esforço comum” pelo “diálogo, reconciliação e composição pacífica dos vários cargos”, no final da oração dominical do Angelus, perante dezenas de fiéis reunidos na Praça de São Pedro, no Vaticano.

Segundo a Amnistia Internacional (AI), que também denuncia diversos desaparecimentos, torturas e detenções ilegais, o total de mortes pode chegar a “dezenas” nas últimas semanas, quando uma onda de protestos pró-democracia abalou o país para exigir reformas políticas e gritar contra a repressão.

As mobilizações tornaram-se especialmente violentas desde a última segunda-feira, com saques, e incêndio de camiões, campos e prédios e graves confrontos entre os manifestantes e as forças de segurança.

Em resposta, o governo ordenou recolher obrigatório, cortou a internet e colocou o exército nas ruas.
Essuatíni, a última monarquia absoluta na África, de acordo com a Amnistia Internacional (AI), está sob o comando absoluto de Mswati III desde 1986 e tem pouco mais de um milhão de habitantes, a maioria deles jovens.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos