Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Papa Francisco inicia visita à Irlanda marcada por abusos do clero

Dublin, 25 Ago (Inforpress) – O papa Francisco iniciou hoje uma viagem de dois dias à Irlanda para participar no Encontro Mundial das Famílias, em Dublin, onde irá abordar, entre outros temas, os abusos sexuais contra menores e mulheres cometidos pelo clero.

O avião da Alitália que levou o pontífice à Irlanda desembarcou às 09:26 locais (mesma hora em Lisboa) no aeroporto de Dublin, de onde será transferido para a residência do presidente irlandês Michael D. Higgins para a cerimónia oficial de boas-vindas.

A primeira e única visita de um papa à Irlanda até hoje foi feita por João Paulo II em 1979. Francisco chega a um país diferente, no qual a igreja católica perdeu influência e apoio devido aos milhares de casos de abusos cometidos há décadas por religiosos contra menores e mulheres.

Esta é a 24ª viagem ao exterior do papa Francisco, que ocorre num momento que está a abalar a igreja católica, com revelações, na semana passada, de antigos abusos sexuais perpetrados pelo clero nos Estados Unidos.

Segundo indicou na terça-feira o porta-voz do Vaticano, Greg Burke, o papa Francisco vai encontrar-se com vítimas de abusos sexuais durante a viagem à Irlanda.

O director do gabinete de imprensa do Vaticano reconheceu que o escândalo dos abusos cometidos no passado por eclesiásticos na Irlanda é um tema incontornável na deslocação.
Oficialmente, o papa vai encerrar em Dublin o IX Encontro Mundial das Famílias, que começou na terça-feira.

“Qualquer viagem à Irlanda não seria apenas sobre a família”, admitiu Greg Burke, acrescentando, no entanto, que o papa vai falar sobre a família.

O enorme escândalo de pedofilia, revelado na semana passada no seio do clero católico dos Estados Unidos, levou na segunda-feira o papa Francisco a dirigir uma carta ao “Povo de Deus”.

“Reconhecemos que não estivemos lá, onde devíamos, que não agimos em tempo útil ao reconhecer a amplitude da gravidade dos danos infligidos a tantas vidas. Negligenciámos e abandonámos as crianças”, escreveu o papa na missiva.

Uma investigação dos serviços da procuradoria da Pensilvânia divulgada na semana passada revelou os abusos sexuais, encobertos pela igreja católica daquele Estado norte-americano e perpetrados por mais de 300 “padres predadores”, de que foram vítimas, pelo menos, mil crianças.

O Encontro Mundial das Famílias – organizado a cada três anos e que alia celebrações a mesas redondas temáticas – termina na presença do papa com um “festival de famílias” no sábado e uma missa solene no domingo.

Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos