Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Papa defende fraternidade e espírito de união para superar crise pandémica

Bratislava, 13 Set (Inforpress) – O Papa Francisco defendeu hoje a “fraternidade” cruzando as fronteiras numa Europa que precisa reanimar a economia fragilizada pela pandemia de covid-19, durante o segundo dia de visita à Eslováquia.

“É a fraternidade que devemos promover. Uma integração cada vez mais necessária”, recomendou o pontífice, falando perante as autoridades políticas e civis da Eslováquia, um país de 5,4 milhões de habitantes onde Francisco permanecerá até quarta-feira.

“Isto é ainda mais urgente, depois de duros meses de pandemia, com muitas dificuldades, uma tão esperada recuperação económica, favorecida por planos de recuperação da União Europeia”, defendeu o Papa Francisco, que chegou domingo a Bratislava, após uma escala em Budapeste onde conversou à porta fechada com o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban.

“É necessário que este país reafirme a sua mensagem de integração e de paz e que a Europa se distinga por uma solidariedade que, atravessando fronteiras, possa trazê-la de volta ao centro da história”, pediu o Papa.

Já em 2020, o Papa argentino publicara uma carta encíclica, “Frateli tutti” (“Todos os irmãos”), em que pedia um mundo mais unido, para apoio dos mais fragilizados, uma mensagem que reiterou hoje na visita a Bratislava.

O Papa Francisco iniciou este segundo dia de visita à Eslováquia reunindo com líderes da Igreja e do Estado, antes de um encontro com a comunidade judaica, para homenagear as vítimas do Holocausto.

Francisco, que foi recentemente submetido a uma intervenção cirúrgica, não perdeu o sentido de humor, quando fez o esforço para subir uma rampa da catedral de Bratislava, para um encontro com padres e freiras eslovacos.

“Eu ainda estou vivo”, ironizou o Papa, quando interrogado sobre como se sentia após a íngreme subida.

Durante a conversa com a Presidente da Eslováquia, Zuzana Caputova, Francisco referiu-se à pandemia de covid-19 como o mais duro teste da história recente, acrescentando que esta crise sanitária nos deve deixar lições para o futuro.

“Ela ensinou-nos com é fácil, mesmo quando estamos todos no mesmo barco, recuar e pensar em apenas nós mesmos. Em vez disso, devemos perceber que todos somos frágeis e todos necessitamos dos outros”, concluiu o Papa.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos