Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Pandemia causou crises de direitos humanos e ataques a migrantes e refugiados

Nações Unidas, Nova Iorque, 01 dez (Inforpress) – A pandemia de covid-19 desencadeou crises de direitos humanos e o aumento de ataques contra migrantes e refugiados, segundo o primeiro relatório das Nações Unidas sobre o Pacto Global das Migrações, hoje apresentado.

No documento, apresentado hoje em Nova Iorque, o secretário-geral da ONU, António Guterres, declara que a pandemia de covid-19 afectou negativamente mais de 2,7 milhões de migrantes em todo o mundo, particularmente mulheres e crianças.

Guterres descreve que no último ano aumentaram as crises de direitos humanos e de segurança em todo o mundo, inclusive violações dos direitos das crianças, afectando principalmente migrantes e refugiados.

“O medo da covid-19 exacerbou níveis já altos de xenofobia, racismo e discriminação” e provocou um aumento de ataques contra refugiados e migrantes, lê-se no primeiro relatório bianual sobre o acordo, com o título “Da Promessa à Acção: Pacto Global das Migrações Seguras, Ordenadas e Regulares”.

A pandemia “desencadeou uma crise de direitos das crianças, que afectou particularmente as crianças em deslocação”, acrescenta Guterres, com um apelo para que seja aproveitada a “oportunidade de reimaginar um futuro melhor para todas as crianças”, com acesso a cuidados de saúde e educação.

Segundo a ONU, existem cerca de 272 milhões de migrantes internacionais, o equivalente a 3,5% da população mundial em 2019.

O relatório sobre o estado de implementação do Pacto em 54 Estados-membros, que, como Portugal, submeteram os seus contributos e participaram num processo de consultas com a ONU, pretende incentivar o reforço de políticas e iniciativas reconhecidas como positivas e combater violações e abusos de direitos dos migrantes.

Para o secretário-geral, é crucial trabalhar no sentido de “alargar autorizações de residência e trabalho; regularizar a situação dos migrantes sem documentos; melhorar as práticas de recrutamento e o acesso a trabalho decente; suspender os regressos forçados; e encontrar alternativas para a detenção de migrantes”.

António Guterres avança também com várias recomendações para a implementação do Pacto Global das Migrações, sublinhando que a “governação eficaz e com princípios da migração requer forte cooperação” global, regional, nacional e local, entre países e entre vários tipos de intervenientes.

Os países devem, acrescenta, “redobrar esforços” para eliminar a intolerância e a discriminação e para promover a “inclusão social e a coesão entre as comunidades locais e os migrantes”.

Neste contexto, devem fazer-se mais esforços para combater a desinformação e fortalecer o “conhecimento baseado em factos e evidências”.

A reposta à pandemia deve ser inclusiva e deve também sublinhar a contribuição dos migrantes como trabalhadores essenciais em diversas áreas, como a saúde e o sector alimentar.

Segundo a Organização Internacional do Trabalho, 164 milhões de trabalhadores do mundo inteiro são migrantes.

Os regressos forçados dos migrantes foram intensificados durante a pandemia, sem quaisquer cuidados de saúde ou de segurança, com milhares de deportações, alerta o secretário-geral.

De acordo com António Guterres, “demasiados migrantes continuam a sofrer violações de direitos”, particularmente no “contexto de profunda crise social e económica, em que a vida e o sustento de milhões de migrantes, famílias e comunidades correm o risco de se tornarem cada vez mais precários”.

O relatório realça também que dezenas de milhões de migrantes vivem em alojamentos apertados e pouco higiénicos, onde o vírus se espalha facilmente.

Devido à pandemia de covid-19, o encerramento de fronteiras e as interrupções de viagens internacionais afectaram desproporcionalmente os migrantes e refugiados, que se encontram, por vezes, em situações “muito perigosas” e sem protecção.

Nos países de baixo e médio rendimento, a redução das remessas dos emigrantes pode fazer reverter os progressos em relação aos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável, acrescenta.

O Pacto Global das Migrações, assinado em 2018, é o primeiro acordo global sobre as migrações, que promove uma estrutura cooperativa, uma “linguagem comum”, por meio de princípios orientadores e objectivos, e a criação de ferramentas para a implementação de políticas de migração eficazes.

Segundo o secretário-geral, o Pacto Global é um “testamento do crescente entendimento do poder das migrações, “inevitáveis e benéficas” e que podem trazer desafios.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos