Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Palma de Ouro de Cannes para o filme “Parasite” do sul-coreano Bong Joon-ho

Cannes, França, 25 Mai (Inforpress) – “Parasite”, do realizador sul-coreano Bong Joon-ho, conquistou a Palma de Ouro do Festival de Cinema de Cannes, e os cineastas brasileiros Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles partilham o Prémio do Júri, com o francês Ladj Ly.

Na competição oficial, os filmes “Les Misèrables”, do realizador francês Ladj Ly, e “Bacurau”, dos realizadores brasileiros Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, protagonizado por Sónia Braga, conquistaram ex-aequo o prémio do Júri de Cannes.

O Grande Prémio do Festival foi para a realizadora franco-senegalesa Mati Diop, pelo filme “Atlantique”.

O prémio de melhor realização foi para os irmãos belgas Jean-Pierre e Luc Dardenne, pela longa-metragem “Le jeune Ahmed”.

O actor espanhol Antonio Banderas recebeu o prémio de interpretação masculina pelo desempenho no filme de Pedro Almodovar “Dor e Glória”, e a britânica Emily Beecham, o prémio de melhor atriz, pelo papel em “Little Joe”, de Jessica Hausner.

“Parasite”, um drama familiar, aborda o problema das desigualdades sociais. Do mesmo realizador sul-coreano teve estreia em Portugal, em 2014, o filme “O Expresso do Amanhã”.

O prémio de melhor argumento foi para “Portrait de la jeune fille en feu”, da francesa Céline Sciamma, conhecida por “Maria Rapaz” e pelo argumento de “A Minha Vida de Courgette”.

Houve ainda uma menção especial do júri para “It must be heaven”, do palestiniano Elia Suleiman, o realizador de “O Tempo Que Resta” que, no filme levado a Cannes, viaja por diferentes cidades do mundo, estabelecendo paralelos com a Palestina natal.

A Palma de Ouro para curta-metragem distinguiu “La distance entre le ciel et nous”, do grego Vasilis Kekatos, e a menção especial para curta-metragem foi para “Monstruos Dios”, da argentina Agustina San Martin.

O documentário “For Sama” de Waad al-Kateab, que filmou a vida na cidade de Alepo, num dos períodos mais violentos do conflito na Síria, foi distinguido, partilhando o prémio desta categoria com o documentário do chileno Patricio Guzman “La cordillera de los sueños”, uma obra sobre a exploração mineira no Chile, com o foco nos anos da ditadura militar.

Guzmán estreou em Portugal “O Botão de Nacar” e “Nostalgia da Luz”, em que focava igualmente os anos da ditadura chilena.

O cineasta guatemalteco César Díaz ganhou o prémio para melhor primeira obra com o filme “Nuestras madres”, que fala das 200.000 vítimas e 45.000 desparecidos do conflito interno no seu país, e dos familiares que sobreviveram.

A 72.ª edição do festival de Cannes terminou hoje, com a entrega dos prémios atribuídos pelo júri da competição oficial, presidido pelo cineasta mexicano Alejandro González Iñárritu.

Lusa/Inforpress

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos