Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Países árabes acusam Israel de “provocação” por repressão durante o Ramadão

Cairo, 08 Mai (Inforpress) – Os países árabes do Médio Oriente condenaram hoje o “assalto” das polícias israelitas à Esplanada das Mesquitas, particularmente a de Al Aqsa, na ocupada Jerusalém Oriental, que consideraram uma “provocação” aos muçulmanos durante o mês sagrado do Ramadão.

Na sexta-feira, segundo o movimento internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, mais de 200 palestinianos foram hospitalizados em resultado de confrontos com a polícia israelita, em Jerusalém, a maioria na Esplanada das Mesquitas, onde muçulmanos se reuniam para a última sexta-feira do mês de jejum do Ramadão.

A Liga Árabe, em comunicado do secretário-geral, Ahmed Abulgueit, hoje divulgado, condenou as acções das forças de segurança israelitas e considerou que “este ataque provoca sentimentos nos muçulmanos em todo o mundo” e “pode ​causar uma explosão da situação nos territórios ocupados”.

Segundo Ahmed Abulgueit, “a escolha das forças de ocupação nesta época, durante o mês sagrado muçulmano, reflecte uma intenção deliberada de provocar os palestinianos”, e de causar uma “escalada”, e o governo israelita é “completamente cativo dos colonos e sua agenda extremista”.

A Jordânia, reconhecida como guardiã dos locais sagrados islâmicos e cristãos de Jerusalém Oriental, pelo tratado de paz de 1994 com Israel, foi um dos primeiros países do Médio Oriente a reagir ao que considerou um “ataque” à Mesquita de Al Aqsa, o terceiro lugar mais sagrado no Islão, e “uma violação flagrante e uma acção selvagem”.

O Egipto exortou as autoridades israelitas a “parar qualquer prática que viole a santidade da Mesquita de Al Aqsa e o mês sagrado do Ramadão” e condenou, particularmente, a intenção de despejar famílias palestinianas no bairro Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental, segundo nota do Itamaraty, divulgada pela agência Efe.

O Bahrein, que no ano passado se tornou o segundo país do Golfo Pérsico a estabelecer relações diplomáticas com Israel, pediu a Israel que parasse as “provocações inaceitáveis” na Mesquita de Al Aqsa e a evacuação de lares palestinianos de Jerusalém.

O Líbano descreveu como “brutal” o “ataque contra devotos inocentes” na mesquita simbólica e garantiu que a intenção de expulsar das suas casas os moradores de Sheikh Jarrah, “sob os olhos de todo o mundo”, é “um comportamento que não difere de práticas de limpeza étnica”.

O Qatar destacou que “o assalto das forças de ocupação israelitas à mesquita de Al Aqsa” é uma “provocação aos sentimentos de milhões de muçulmanos em todo o mundo” e “uma violação dos direitos humanos e acordos internacionais”.

Em comunicado do porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, também hoje divulgado, o Irão pediu às Nações Unidas a condenação do que chamou “crime de guerra”, condenando o ataque “pelo regime militar que ocupa” Jerusalém e considerando que “este crime de guerra mais uma vez prova ao mundo a natureza criminosa do regime sionista ilegítimo” e exortando “as Nações Unidas e outras instituições a ele vinculadas a agir […] para lidar com este crime de guerra”.

Também o Governo turco, em comunicado hoje divulgado, acusou Israel de violar a liberdade de culto e actuar de maneira agressiva e provocadora, devido à intervenção da polícia na Esplanada das Mesquitas durante a oração da tarde, que motivou as 200 hospitalizações de palestinianos, e em que também seis polícias ficaram feridos.

O ministério das Relações Exteriores da Arábia Saudita, no entanto, emitiu um comunicado no qual não faz menção aos eventos na Esplanada das Mesquitas, limitando-se a mostrar oposição aos “planos e procedimentos de Israel para evacuar casas palestinianas em Jerusalém e impor a soberania israelita”.

Há uma semana registam-se diariamente manifestações, marcadas por confrontos com a polícia israelita, no bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental.

A disputa em Sheikh Jarrah está relacionada com o direito à terra onde são construídas casas para colonos israelitas.

Nesse bairro vivem quatro famílias palestinianas, ameaçadas de despejo pelos israelitas.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos