Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Países africanos devem criar plataformas multissectoriais para questões de saúde relevantes – OOAS

Cidade da Praia, 09 Jul (Inforpress) – O director-geral da Organização Oeste Africana da Saúde (OOAS) apelou hoje aos países africanos a criarem plataformas multissectoriais para questões de saúde relevantes e a alocarem 15 por cento (%) dos orçamentos nacionais para este sector.

Na sua mensagem alusiva a celebração do 32º aniversário da criação da OOAS, assinalado esta terça-feira, 09 de Julho, Stanley Okolo reconheceu que, actualmente, o ambiente sanitário na África Ocidental é misto, mas sublinhou que o continente continua a enfrentar epidemias recorrentes como febre de Lassa, febre-amarela e meningite, muitas mulheres continuam a morrer durante o parto e as crianças não vivem para além dos cinco anos.

“Apelamos a cada país que estabeleça plataformas multissectoriais para questões de saúde relevantes, como o paludismo, e que devem esforçar-se mais pela concretização da Declaração de Abuja, que apela a que 15% de todos os orçamentos nacionais sejam dedicados à saúde”, invocou.

Recordou que o paludismo foi eliminado em várias partes do mundo, mas continua desenfreado na região africana sendo que 11 países são responsáveis por mais de 80% dos casos desta doença, a Índia e 10 países africanos dos quais cinco na África Ocidental.

“A obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares e tromboses são actualmente as principais causas de morte da população africana sendo que a questão de medicamentos falsificados é grave, urgente e crítico em alguns países, e o facto de importarmos quase 80% dos medicamentos que necessitamos ilustra a necessidade de darmos prioridade à provisão de medicamentos acessíveis e de grande qualidade em toda a região, de preferência, através da produção regional que contribui para a industrialização e o emprego”, constatou.

Segundo o director-geral, o foco do trabalho da OOAS é ajudar o maior número possível de países a passar do controlo à eliminação do paludismo, aprovar um acordo comum de registo de medicamentos para os 15 estados membros a fim de atrair a produção regional de produtos farmacêuticos e a operacionalização de uma estratégia de capital humano, especialmente no que respeita à liderança e governação na saúde, para maximizar o valor de cada dólar que entra na saúde na região.

Por outro lado, assegurou que a OOAS está engajada também em assegurar o financiamento adequado da saúde, dividendo demográfico e políticas de desenvolvimento populacional nos nossos países.

“Decorreram apenas cinco anos desde o devastador surto de Ébola na região, que apesar dos atrasos iniciais e dos erros cometidos, foi combatido pelos esforços coordenados, concertados e colaborativos de várias partes interessadas, incluindo a OOAS, e a vitória foi finalmente assegurada através de uma mudança de comportamento quando a população local abandonou práticas culturais nocivas, como a lavagem dos cadáveres”, sublinhou.

Stanley Okolo, que elencou uma série de medidas e acções implementadas ao longo desses anos, afirmou que as organizações da sociedade civil, as comunidades locais, os campeões de base e os chefes de distrito continuarão a desempenhar um papel central no planeamento dessas actividades.

O protocolo para a criação da Organização Oeste Africana da Saúde foi assinado a 09 de Julho de 1987 em Abuja, pelos 15 Chefes de Estado e de Governo e tem por objectivo redirecionar a organização para a visão dos fundadores e para o seu mandato de promover a integração regional através da saúde e partilhar com a população da África Ocidental algumas das actividades, planos e desafios.

AV/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos