Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

PAICV insta autoridades a fazer estudo se campanha eleitoral fez aumentar número de casos da covid-19

Cidade da Praia,  21 Abr (Inforpress) – O vice-presidente do PAICV, Rui Semedo, disse hoje que as autoridades deverão fazer um estudo para avaliar se o aumento do número de casos de infecções causadas pela covid-19 está relacionado com as campanhas eleitorais.

“Seria um pouco ajuizado da minha parte fazer esta ligação causa/efeito campanha eleitoral e o aumento do número de casos infectados pela covid-19”, afirmou Rui Semedo, ao ser instado se as recentes campanhas eleitorais não terão contribuído para o aumento de infecções no País.

O vice-presidente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV) fez essas considerações em declaração à imprensa, à margem da audiência que o chefe de Estado, Jorge Carlos Fonseca, manteve com os representantes dos partidos políticos com assento parlamentar, no quadro da nomeação do primeiro-ministro saído das eleições do dia 18.

Segundo Rui Semedo, é “normal e natural” que o Presidente da Republica chame os partidos para os ouvir sobre o processo da indicação de quem deverá governar o País.

“À luz da nossa Constituição, quem deverá governar o País é o partido mais votado e que tenha o maior número de deputados e, neste caso, à luz dos resultados, a questão está a ficar cada mais clara [ou seja, para o Movimento para a Democracia (MpD) que ganhou as eleições]”, sublinhou, ressaltando que o PAICV tem “algumas reservas” que a auscultação dos partidos políticos deveria acontecer após a publicação definitiva dos resultados eleitorais.

Segundo Semedo, as suas dúvidas não põem em causa as diligências do Presidente da República, embora continue a pensar que fazia “mais sentido” esta auscultação após a publicação dos dados definitivos, que passam a valer para todos.

Instado a pronunciar-se sobre a urgência de se formar o novo Governo, tendo em conta a situação em que se encontra o País, aquele político afiançou que a urgência é que o “Governo aja e tome as medidas necessárias para enfrentar esta pandemia e proteger os cidadãos, o emprego e as empresas”.

“Um Governo que agiu em plena campanha eleitoral noutras coisas não pode reclamar da falta, digamos, da posse para não agir em relação a uma questão urgente e prioritária [a pandemia da covid-19] ”, sustentou, reconhecendo que a situação pandémica no mundo “é pouco encorajadora” e em Cabo Verde a situação é “muito grave”.

Sobre a medida anunciada pelo Governo do uso obrigatório de máscaras, cuja lei para o efeito ainda está em vigor, adiantou que se trata de uma medida que devia ser continuada e o Governo, apontou, “não precisava de esperar para, depois das eleições, incentivar a usarem as máscaras”.

Perguntado se o seu partido vai votar favoravelmente à recondução de Jorge Santos ao cargo de presidente da Assembleia Nacional, tendo em conta que o grupo parlamentar do PAICV foi muito crítico em relação à actuação dele, Rui Semedo preferiu abster-se de tecer qualquer comentário a este respeito, adiantando, entretanto, que vai haver um encontro entre os deputados eleitos do PAICV para haver uma posição do grupo parlamentar.

LC/AA

Inforpress/Fim  

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos