Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

PAICV exige esclarecimento do Governo sobre alegado envolvimento do País a sectores da “extrema direita xenófoba”

Cidade da Praia, 15, Abr (Inforpress) – O PAICV exigiu hoje ao Governo do MPD que, a bem da “verdade” e da “transparência”, esclareça aos cabo-verdianos sobre o envolvimento do País em factos considerados “escandalosos” relacionados com a “extrema direita xenófoba” europeia.

Em conferência de imprensa, na cidade da Praia, o vice-presidente do PAICV, Rui Semedo, elencou um conjunto de situações que considera “escandalosos”, envolvendo Cabo Verde.

Rui Semedo quer ver esclarecido o facto que levou a demissão do ministro dos Negócios estrangeiros, Luís Filipe Tavares, acusando o Governo de “tentar minimizar a situação”.

Referindo-se à nomeação de um cidadão português radicado nos EUA, com “fortes ligações à extrema direita em Portugal”, deixando o país “profundamente chocada e ofendida”, Rui Semedo diz ainda aguardar por pronunciamento do Governo liderado por Ulisses Correia e Silva.

Ainda na sequência de uma reportagem publicada na quarta-feira pela SIC, dando conta de uma viatura de marca Mercedes, no valor de mais de cinco mil contos, supostamente adquirida por Luís Filipe Tavares, o vice-presidente do PAICV afirmou que é “obrigação ”do Governo esclarecer aos cabo-verdianos e a comunidade internacional o que estará a passar em torno desta viatura”.

Rui Semedo questionou se a viatura está em Cabo Verde e em que condições foi adquirido.
Estas situações, segundo a mesma fonte, associam o “bom nome, prestigiada e respeitada Diplomacia” do país a actores políticos individuais e colectivos da “extrema direita europeia”.
Rui Semedo acredita que esta relação esteja baseada em “interesses materiais e financeiros”, promovidos por uma maioria que “não olha a meios para atingir os seus objectivos”.

O responsável, que acusou o MPD de estar ligado a um grupo de “estrema direita” que financia partidos, pede a este partido que pronuncie sobre a proveniência dos recursos investidos na campanha “tão luxuosa, com ostentação e esbanjamento”.
CS/JMV

Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos