Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

PAICV diz que Governo não tem agenda estratégica, mas quer dinheiro fácil para resolver problemas de tesouraria

 

Cidade da Praia, 09 Ago (Inforpress) – O Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV – oposição) considera que o Governo não tem uma agenda estratégica para o país com base nas privatizações, (…) “o que quer é conseguir dinheiro fácil para resolver problemas de tesouraria…”.

Julião Varela, secretário-geral do partido fez essas considerações hoje em conferência de imprensa na Cidade da Praia, sublinhando que a pretensão do Governo é conseguir dinheiro “rápido e fácil” para resolver problemas de tesouraria e pagar as despesas correntes do Estado.

Conforme sustentou este dirigente do PAICV, a ideia do Governo “é vender tudo”, apenas para arrecadar dinheiro e resolver problemas imediatos de tesouraria do Estado, e vir depois simular uma taxa falsa de crescimento e tentar “enganar” os cabo-verdianos que fez a economia crescer sete por cento.

“O que Cabo Verde precisa é de um crescimento económico de qualidade e de desenvolvimento, não precisa de uma mera arrecadação de dinheiro fácil e rápido, à custa da venda da terra e dos activos nacionais”, indicou.

Julião Varela, esclareceu, no entanto, que o PAICV “não é contra e nunca foi” contra o processo de privatizações, clarificando que o que está em causa é a forma como o Governo pretende levar a cabo esse processo.

Segundo o secretário-geral do maior partido da oposição, pressupõe-se, que com as privatizações, “o MpD pretende vender o país ao desbarato”, promover negociatas, proteger grupos económicos determinados e colocar em causa os interesses de todos os cabo-verdianos.

Para o PAICV, as privatizações e subconcessões têm que ser feitas pensando nos interesses do país e apela o Governo a atuar com mais responsabilidade e que governe com mais patriotismo e, acima de tudo, “que defina a sua visão para o processo de privatizações”.

OM/FP

Inforpress/Fim

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos