Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

PAICV classifica de “desonestidade sem limites a propaganda do Governo” com  justificação de que anterior executivo fez o mesmo

Cidade da Praia, 30 Mai (Inforpress) – O PAICV classificou hoje de “desonestidade sem limites” o facto de o Governo justificar a sua “propaganda fora do período eleitoral”, porque o anterior executivo também o tinha feito.

Segundo o líder do grupo parlamentar do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição) a justificação do Governo liderado por Ulisses Correia e Silva de que “está a reagir às críticas”, segundo as quais “não sabe comunicar” é uma desculpa que, além de “esfarrapada, fere o estado de sanidade mental das pessoas”.

Rui Semedo fez essas considerações numa declaração política que antecedeu o no período de antes da ordem do dia.

“Dizer que se faz assim porque os outros fizeram é de uma desonestidade sem limites”, vincou a bancada do PAICV, acrescentando que nunca se utilizou das “fragilidades das pessoas” de forma “tão tão vil, descarada e tão despudorada”.

Na perspectiva dos eleitos do PAICV, o conteúdo do “produto propagandista” do Governo contempla as áreas em que  os resultados são “mais débeis ou praticamente inexistentes”.

No concernente ao abastecimento da água, considerou que a situação é “crítica” e que em alguns casos é de “duvidosa qualidade para o consumo”.

O PAICV acusou ainda o Governo de a “propaganda” feita no domínio das infra-estruturas recair sobre uma “estrada iniciada” na era do executivo anterior, em 2015, e inaugurada por Ulisses Correia e Silva.

O emprego, prosseguiu, encontra-se “estagnado absorvendo cada vez menos mão-de-obra” e o não aparecimento de novas ofertas “aumenta as frustrações e alimentam as desilusões”.

Relativamente à segurança, afirmou o líder da bancada do PAICV, há registos de assaltos “todos os dias”, enquanto o “desaparecimento e assassinato de pessoas se multiplicam”.

A evacuação dos doentes não ficou de fora da declaração política do maior partido da oposição, que acusou o Governo de “incúria ou descaso”, levando, de acordo com este partido, que várias vidas “fossem ceifadas”.

Rui Semedo mostrou-se preocupado com o avião contratado para o transporte de doentes que “nem sequer se encontra no país”.

Por sua vez, reagindo às afirmações do PAICV, o ministro dos Assuntos Parlamentares, Fernando Elísio Freire, informou que a referida aeronave está na Praia e “pronto para voar”.

“O senhor está a ser daninho para com a verdade” lamentou o governante, que discordou da intervenção de Rui Semedo na parte em que este falou de “raio de concurso”, quando, na verdade, “concorreram cinco empresas de forma transparente e com parecer favorável da Autoridade Reguladora das Aquisições Públicas (ARAP)”.

“O que acabamos de assistir aqui são as notícias falsas”, sublinhou Elísio Freire, referindo-se às declarações do PAICV.

Por seu lado, o vice-presidente da bancada do Movimento para a Democracia (MpD, poder), Miguel Monteiro, considerou que os parlamentares da oposição fizeram tal declaração política porque lhes “correram mal” o debate de quarta-feira, 29, com o primeiro-ministro, cujo tema era o crescimento económico de Cabo Verde nos últimos três anos.

Já para o líder da União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID, oposição) é “estranha a forma” como o Governo do MpD está a fazer a publicidade.

Lembrou que, no passado, o seu partido também estranhara a forma como o executivo liderado pelo PAICV fazia a publicidade das suas realizações.

“A melhor de publicidade que se possa fazer é fazer as coisas acontecerem para que as pessoas sintam que nas suas vidas há mudança pela positiva, porque o Governo que elegeu está a trabalhar nesse sentido”, indicou o parlamentar eleito nas listas dos democratas-cristãos por São Vicente, para quem, quando “não existem resultados palpáveis” recorre-se a “subterfúgios para fazer passar a imagem de que se está a fazer muita coisa”.

LC/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos