Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

PAICV acusa Governo de incumprimento na apresentação das contas do Estado e de aumentar a dívida pública

Cidade da Praia, 11 Jan (Inforpress) – O PAICV denunciou hoje o incumprimento do Governo na apresentação das contas do Estado junto do Tribunal de Contas e de colocar a dívida pública do país em 134% do PIB, acima dos 133% registados em 2015.

Em conferência de imprensa realizada esta manhã, o secretário-geral do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), Julião Varela, apontou os ministérios da Justiça e Trabalho, da Saúde e Solidariedade Social e das Finanças como os maiores incumpridores.

Julião Varela explicitou que a dívida pública atingiu o montante de 222.634 milhões de escudos o que representa 134% do Produto Interno Bruto (PIB), e que nas contas de 2017 está, igualmente, confirmada que a dívida pública situa-se em 134% do PIB.

Sublinhou que enquanto o PAICV endividou o país para infra-estruturá-lo, “o MpD faz dívida para gastar”, com aumento tanto em percentagem como em valor absoluto.

Acusou ainda o Executivo da falta de colaboração institucional e criticou o Ministério das Finanças “que até inflacionou o número de contratações feitas” relativas à gestão de 2016.

Varela disse que os maiores problemas deste Governo encontram-se na contratação pública, justificando que das entidades que responderam ao ofício do Tribunal de Contas referentes a 62 contratos de empreitadas de obras públicas de 2016, num montante de global de 188.808.125$00, não foi possível realizar 63%, isto é, 119.418.624$00 porque os “contratos não foram submetidos à fiscalização preventiva”.

O secretário-geral do PAICV fez questão de ressaltar que o parlamento cabo-verdiano só apreciou a primeira conta que envolve a governação do MpD, após praticamente cinco anos e no final do mandato, por causa das denúncias do PAICV, quando, por esta altura, deveria estar a apreciar as contas referentes a 2018.

De entre outras incoerências, Julião Varela afirmou que a conta de 2016 está enferma de irregularidades, ilegalidades e omissões, evidenciadas pelo Tribunal de Contas, ao mesmo tempo que revelou que o Tribunal de Contas pôs a nu a reposição da verdade sobre os indicadores de dívida pública, com o argumento que todo o discurso do executivo está contrariado nas contas do Estado.

Para além destas evidências do Tribunal de Contas, esclareceu, o TC constatou  a “violação do princípio da unidade e universalidade do Orçamento o que significa a cobrança de receitas de execução de despesas fora do quadro do Orçamento”  com erros e omissões que atingiram, em 2016, 1.500.946.203$00 nas entradas e no valor de 108.598.999$00 nas saídas.

“Excessivos montantes na rubrica “Outras Operações” com registo de movimentos avultados de entrada e saída nas contas complementares que, originados fora do perímetro orçamental, representam a violação dos princípios do Orçamento Bruto”, referiu.

Julião Varela disse que o PAICV tem vindo a cumprir o seu papel ao denunciar as alegadas arbitrariedades junto das instâncias e que as contas de 2016 só não foram remetidas ao Ministério Público “porque o MpD esquece-se da objectividade com que assuntos desta natureza devem ser tratados e decide unicamente pela força da maioria.

SR/HF

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos