Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

PAICV acusa Governo de abandonar o País para participar nas campanhas eleitorais

Cidade da Praia, 14 Out (Inforpress) – O Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV) acusou hoje o Governo de abandonar o País para participar nas campanhas eleitorais, apontando ainda a utilização dos recursos do Estado para financiar viagens no apoio a candidatos.

A acusação foi feita em conferência de imprensa pelo presidente do PAICV, Rui Semedo, frisando que o Governo deixou de governar, porque está mobilizado para as campanhas eleitorais, esquecendo-se da grave situação por que passa o País.

“Neste momento em que precisávamos de um Governo, presente e focado, o tempo todo, os principais responsáveis do País ignoram as suas responsabilidades e saem pelas ilhas a fazer campanha presidencial”, disse.

Conforme indicou, o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, diz que não gasta dinheiro do Estado, mas questionou quem pagou as viagens para São Tomé e Príncipe, Luxemburgo e para os Países Baixos, assim como nas viagens da pré-campanha para todas as ilhas.

“Todos nós sabemos que o Governo e o primeiro-ministro andam a fazer campanha todos os dias às custas do dinheiro público”, assinalou.

Um outro ponto referido por Rui Semedo é o incumprimento do prazo para a entrega do OE, fixado pela Lei 55/IX/2019, que estabelece as Bases do Orçamento do Estado, ou seja, de acordo com o artigo 56 desta Lei, “O Governo entrega na Assembleia Nacional a Proposta de Lei do orçamento para o ano económico seguinte até 01 de Outubro”.

“Se é até 01 de Outubro, isso quer dizer que este é o último dia de entrega”, lembrou.

Acrescentou que o Executivo, distraído e entretido com as campanhas, só fez a entrega deste importante instrumento ao Parlamento a cinco de Outubro, fora do prazo legal, abrindo uma crise institucional grave de contornos imprevisíveis.

“O primeiro-ministro, de tão ocupado em carregar o seu candidato para cima e para baixo, não se lembrou que tem outros compromissos, designadamente, com o Parlamento”, atestou.

Por fim, abordou o conteúdo do OE para 2022, sublinhando que a proposta não traz nenhuma esperança para os cabo-verdianos, porque, para além do contexto da pandemia e da tendência generalizada de aumento de preços, o Governo propõe novas medidas duras para a vida das pessoas e das famílias.

“O IVA vai aumentar de 15 por cento (%) para 17% e isso não é apenas um cenário, como o primeiro-ministro quer fazer crer, mas sim uma proposta clara e concreta”, asseverou, salientando que o mais grave é que, para além dos materiais de construção e outros bens, o próprio medicamento vai sofrer este aumento.

Considerou ainda que enquanto a caravana do primeiro-ministro circula pelas ilhas, numa acção desesperada de campanha eleitoral, a governação foi suspensa numa espécie de férias fora da época.

HR/HF

Inforpress/Fim 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos