Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Padre angolano critica divisão administrativa do país e aponta autarquias como prioridade

Luanda, 05 Set (Inforpress) – O padre angolano Jacinto Pio Wacussanga criticou hoje o processo da nova divisão político-administrativa do país e considerou que a iniciativa governamental “não é prioritária”, porque “não se governa melhor fragmentando províncias, mas sim com a implementação das autarquias”.

O sacerdote católico e defensor dos direitos humanos reprovou a iniciativa das autoridades angolanas, que considerou não ser prioritária, e observou que “não se governa melhor dividindo as províncias angolanas”.

“Governa-se melhor devolvendo o poder ao povo por meio das autarquias, se o povo tiver a oportunidade de fazer as suas escolhas, escolher os melhores por via do mérito, da competência, e não da partidocracia, o desenvolvimento é muito melhor”, afirmou o padre angolano, em declarações à Lusa.

As primeiras eleições autárquicas em Angola, inicialmente previstas para 2020, não chegaram a ser convocadas, com o executivo a justificar a decisão com a covid-19.

Entretanto, o Presidente João Lourenço anunciou a intenção de alterar a divisão político-administrativa de cinco províncias angolanas, estando em curso sessões de auscultação pública.

Cuando-Cubango, Lunda Norte, Malanje, Moxico e Uíje são as províncias angolanas onde devem ser criadas novas unidades territoriais, cuja auscultação pública começou em 17 de Agosto passado e decorre até ao próximo dia 17 deste mês.

Segundo o padre Jacinto Pio Wacussanga, activo defensor das comunidades afectadas pela seca no sul de Angola, o actual modelo de nomeação dos administradores municipais, feita pelos governadores provinciais, “é antiquado” e “apenas as autarquias” poderão reduzir as assimetrias.

“Esse modelo é extremamente antiquado e inoperante, estamos atrasados porque os administradores ficam atados a um programa nacional, as decisões têm de vir de Luanda, não podem fazer quase nada e, portanto, esse modelo só atrasa e atrapalha o que já está mal”, defendeu.

Para fundamentar os seus argumentos, o padre Pio referiu que o desenvolvimento local não passa pela divisão de províncias, exemplificando que Luanda, a capital angolana, sendo “pequena em termos de território, infelizmente está a afundar-se no lixo e no subdesenvolvimento”.

E acrescentou: “É lá (em Luanda) onde se gasta acima de 70% do OGE (Orçamento Geral do Estado) e é Luanda, quanto mais agora aumentarmos as províncias ao invés de termos aquelas que já tínhamos”.

“Então não vemos, enquanto membros da sociedade civil, relevância na ideia de agora dividir algumas províncias e aumentar o número”, frisou.

“Não sei quais são as motivações, mas penso estar-se perante uma medida de aproveitamento político de carácter administrativo porque não há nenhuma vantagem nisso para o povo”, concluiu o padre Jacinto Pio Wacussanga.

Vários membros da sociedade civil e partidos políticos na oposição angolana também reprovam a nova divisão político-administrativa do país, processo coordenado pelo ministro de Estado e Chefe da Casa Civil do Presidente angolano, Adão de Almeida.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos