Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Oposição critica discursos de Bolsonaro e volta a defender destituição do PR do Brasil

Brasília, 08 Set (Inforpress) – Políticos que fazem oposição ao Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, criticaram-no duramente pelas ameaças que lançou ao poder judiciário do país na terça-feira e voltaram a defender a destituição do mandatário.

Entre eles está o governador de São Paulo e rival político de Bolsonaro, João Doria, que, pela primeira vez, se manifestou publicamente a favor do ‘impeachment’ do chefe de Estado.

“A minha posição é pelo ‘impeachment’ do Presidente Jair Bolsonaro. Depois do que ouvi hoje, ele claramente afronta a Constituição”, afirmou Doria no Centro de Operações da Polícia Militar (Copom), onde acompanhou as manifestações agendadas para o 07 de Setembro, Dia da Independência do Brasil.

“Até hoje nunca havia feito nenhuma manifestação pró-impeachment, mantive-me na neutralidade, entendendo que até aqui os factos deveriam ser avaliados e julgados pelo Congresso, mas depois do que assisti e ouvi hoje, em Brasília, sem sequer estar ouvindo, ele, Bolsonaro, claramente afronta a Constituição, ele desafia a democracia e empareda o Supremo Tribuanl Federal”, acrescentou, citado pela imprensa, João Doria, que pretende concorrer às presidenciais de 2022.

Também Eduardo Leite, governador do Rio Grande do Sul e que partilha com Doria o mesmo partido político – Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB)- defendeu a saída de Bolsonaro do poder na rede social Twitter.

“Inflação, desemprego, apagão de energia, desmatamento da Amazónia, pandemia… Esses deveriam ser os inimigos do Presidente do Brasil, e não outros brasileiros. Mas Bolsonaro se engana: nossas cores e nosso país não têm dono. Iremos defender os brasileiros e a democracia que ele ataca. Foi um erro colocar Bolsonaro no poder. Está cada vez mais claro que é um erro mantê-lo lá”, escreveu.

Bolsonaro causou indignação na terça-feira ao desafiar a justiça brasileira, ao afirmar que “não mais cumprirá” decisões do juiz do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes e ao acrescentar que “nunca será preso”.

O chefe de Estado brasileiro ameaçou ainda outros juízes brasileiros, em dois discursos que fez para milhares de apoiantes nas cidades de Brasília e São Paulo, e frisou que aquela manifestação popular representa um ultimato aos três poderes.

“Essas ameaças de tom golpista tentam demonstrar força, mas, ao contrário, só revelam a fraqueza e o desequilíbrio de quem as faz. Mostram desprezo às leis e à Constituição. Tentam provocar o caos para tirar o foco dos reais problemas do país e da total incapacidade de resolvê-los”, disse o governador do Ceará, Camilo Santana.

“A última vez que um Presidente da República resolveu ‘enquadrar’ e colocar nos ‘eixos’ juízes do Supremo foi em 16 de Janeiro de 1969, sob a ditadura”, avaliou, por sua vez, o governador do Maranhão, Flávio Dino.

Já a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva, que concorreu à Presidência do Brasil em 2018, ao lado de Bolsonaro, declarou que o actual mandatário “sempre demonstrou não ter limites, mas Brasil o limitará, sem dúvida”.

“Não vamos abrir mão da democracia por causa de um delírio ditatorial. Não adianta recorrer a uma suposta coragem para desafiar as instituições. Ele não passa de um autoritário irresponsável. Chega!”, acrescentou, no Twitter.

Também a presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, se posicionou sobre as manifestações mobilizadas por Bolsonaro, argumentando que “demonstram o pavor” do chefe de Estado em relação aos vários inquéritos de que é alvo no Supremo.

Jair Bolsonaro é actualmente alvo de quatro inquéritos no STF e um na Justiça Eleitoral pelos seus ataques ao sistema eleitoral, por divulgar um documento sigiloso, por defender a difusão de mensagens antidemocráticas, por uma suposta ingerência na Polícia Federal e por alegada prevaricação na compra de vacinas contra a covid-19.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos