Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

ONU pede fim das sanções internacionais e mais acções para garantir direitos humanos na Venezuela

Caracas, 13 Set (Inforpress) – O escritório da alta comissária para os Direitos Humanos (ACNUDH)divulgou hoje um relatório sobre a Venezuela em que saúda a adopção de medidas governamentais para corrigir deficiências em termos de direitos económicos, sociais, culturais e ambientais dos venezuelanos.

O relatório, elaborado pela alta comissária dos Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet, sublinha que essas medidas foram implementadas apesar dos desafios adicionais colocados pela pandemia da covid-19 e as “medidas coercitivas unilaterais sectoriais (sanções internacionais dos EUA), que reduziram ainda mais os recursos disponíveis”.

Contudo, segundo o documento, “muitas medidas urgentes que afectam directamente estes direitos continuam por implementar”, tais como “garantir níveis de rendimento adequados, investigar denúncias de discriminação no acesso aos alimentos e à saúde, e assegurar a participação inclusiva de representantes da sociedade civil na elaboração de políticas públicas”.

Por outro lado, o ACNDH pede aos “Estados membros que suspendam ou levantem” as sanções internacionais contra a Venezuela, porque “impedem os esforços do Governo para fazer frente ao impacto combinado da situação humanitária e da pandemia da covid-19 sobre a população”.

Também que continuem a apoiar a resposta humanitária na Venezuela, em particular sobre a covid-19, que garantam a distribuição justa das vacinas e o direito dos migrantes venezuelanos nos seus territórios (países) e investiguem as violações dos direitos humanos cometidos contra eles.

O ACNUDH diz estar “preocupado com a criminalização dos defensores dos direitos económicos, sociais, culturais e ambientais, em particular dos líderes sindicais e estudantis” na Venezuela.

Além das recomendações anteriores, algumas ainda válidas, o ACNUDH insta a Venezuela a “continuar com os esforços para melhorar o acesso aos serviços básicos e à alimentação” e a prestar “especial atenção à igualdade de acesso e à não discriminação, assegurando a transparência, a participação e o controlo público”.

No relatório, a alta comissária dos Direitos Humanos da ONU, pede ainda que o Governo garanta rendimentos suficientes aos funcionários públicos e trabalhadores dos sectores dependentes de financiamento público, em particular da saúde e educação, que ajuste os salários, subsídios alimentares, e promova os direitos laborais, incluindo o cumprimento dos acordos internacionais de trabalho e de negociação colectiva.

O ACNUDH pede que a Venezuela garanta o acesso a informação pública segundo standards internacionais e que os grupos vulneráveis sejam consultados antes da adopção de decisões que os afectem.

Recomenda ainda que sejam divulgados o Orçamento de Estado, a estrutura organizativa e as “memórias e contas” dos organismos públicos e que sejam investigadas denúncias sobre acesso discriminatório a programas de protecção social e dê prioridade aos grupos “mais marginados”.

O ACNUDH diz que a Venezuela deve implementar o mandato constitucional de reconhecimento dos territórios indígenas e os direitos colectivos à terra e cooperar com a ONU para garantir os direitos humanos das pessoas que se mobilizam dentro do território, em particular os migrantes e repatriados, e “investigar os casos de desaparecimentos e denúncias de ‘trata’ (tráfico) de pessoas”.

O relatório recomenda aplicar “um quadro regulador ambiental às indústrias petrolífera e mineira, em particular na região do Arco Mineiro do Orinoco, e ratificar o Acordo Regional sobre o Acesso à Informação, Participação Pública e Acesso à Justiça em Matéria Ambiental na América Latina e nas Caraíbas, conhecido como Acordo de Escazú”.

Alterar a legislação venezuelana para descriminalizar o aborto e assegurar a prestação de serviços de saúde sexual e reprodutivos adequados, são outras recomendações, que incluem ainda assegurar a igualdade no acesso a vacinas, em particular entre grupos marginalizados.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos