Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

ONU Mulheres em Cabo Verde encera programa a partir do dia 01 de Abril

Cidade da Praia, 30 Mar (Inforpress) – O Programa Presença da ONU Mulheres, em Cabo Verde, encerra a sua missão a partir do dia 01 de Abril, depois de dez anos a dar a sua contribuição e assistência em matéria de igualdade de género.

Em declarações à Inforpress, a responsável pela comunicação da ONU Mulheres, em Cabo Verde, Ekivity dos Santos, informou que no âmbito da reforma do sistema de Desenvolvimento das Nações Unidas (UNDS) a ONU Mulheres resolveu encerar 19 escritórios e Cabo Verde é um deles.

“Uns por causa de questões de fundos, outros pela questão de `deliver´, ou seja, não estavam a responder bem as necessidades do país e outros como Cabo Verde que é um país pequeno. Temos bons resultados e os nossos indicadores são positivos, mas o encerramento tem a ver com a questão da reforma”, explicou.

O objectivo da reforma, afirmou, é reforçar a presença da agência da ONU Mulheres no terreno lá onde a sua presença seja mais crítica, em países em crise humanitária, em situação de alto risco para mulheres e meninas, dimensionando a organização para cumprir o seu mandato.

Conforme explicou, na região de África, para além de Cabo Verde, será encerada o escritório da Guiné-Bissau e todas as questões dos géneros nesta região vão passar a ser respondida pelo escritório em Dakar, no Senegal, enquanto agência não residente.

Contudo, Ekivity dos Santos afirmou que durante esses dez anos em Cabo Verde, a ONU Mulheres deu um “contributo enorme” para o avanço da igualdade de género e do empoderamento das mulheres no País.

“A ONU Mulheres acredita profundamente que a presença em Cabo Verde representou um salto qualitativo em termos da assistência prestada pelas Nações Unidas ao país em matéria de igualdade de género e contribuiu para melhorias substantivas nas políticas nacionais de empoderamento das mulheres”, afirmou.

Este programa, segundo a mesma fonte, ajudou a posicionar Cabo Verde como uma “boa referência” na região africana e um “exemplo para o mundo”.

Apesar da presença da ONU Mulheres em Cabo Verde fosse pequena, em pessoal e orçamento, de acordo com um comunicado de imprensa, foi “substancial” o seu contributo na promoção da igualdade de género e no empoderamento das mulheres no País.

O mesmo documento refere ainda que este programa “ajudou a alavancar” contribuições de outras agências das Nações Unidas, bem como de parceiros de desenvolvimento de Cabo Verde na matéria.

Como ganhos alcançados na última década (2010-2020) pela presença da ONU Mulheres em Cabo Verde, destacou o combate à violência baseada no género, com a aprovação e implementação da Lei de Combate à VBG, e o contributo dado na implementação do primeiro inquérito do Usos do Tempo.

Este inquérito, sublinhou, tornou visível a sobrecarga dos trabalhos não remunerado e de cuidados exercido pelas meninas e mulheres cabo-verdianas, contribuindo para a pobreza de tempo e de rendimento das mesmas, contribuindo assim para uma inovadora Politica de Cuidados e subsequente Plano de Nacional de Acção de Cuidados.

A mesma fonte destacou ainda o apoio técnico e financeiro prestado na promoção da participação política das mulheres durante o recente processo de elaboração e plano de advocacia da Lei da Paridade junto do Parlamento e do Instituto Cabo-verdiano de Igualdade e Equidade do Género e das organizações da sociedade civil.

Processo esse que culminou com a aprovação da Lei da Paridade em Outubro de 2019.

AM/AA
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos