ONU considera que Cabo Verde Ambição 2030 é oportunidade para uma transição mais equitativa (c/áudio)

Cidade da Praia, 03 (Inforpress) – A coordenadora residente do Sistema das Nações Unidas em Cabo Verde considerou hoje a Agenda Estratégica de Desenvolvimento Sustentável (Cabo Verde Ambição 2030) uma oportunidade para corrigir desigualdades e acelerar uma transição mais equitativa.

Ana Graça, que falava durante a cerimónia de apresentação pública desse instrumento que congrega as ambições ODS e o PEDS, disse que este é uma “oportunidade única” para reconstruir melhor as bases para uma transição “justa e sustentável” e para um novo contrato social entre os cidadãos cabo-verdianos e os seus governantes, para os próximos anos.

“A ambição 2030 que se quer com desígnio nacional, consensual e o mais inclusivo possível é uma oportunidade para corrigir quaisquer desigualdades entre e dentro de cada ilha e de acelerar uma transição mais equitativa, seja para energia renovável, para os sistemas alimentares sustentáveis como para mais igualdade de género e empoderamento das mulheres e meninas”, disse.

Aquela responsável salientou ainda que se trata de uma oportunidade para a construção de redes de segurança social “mais fortes” e cobertura universal suportados por um sistema internacional “mais solidário e eficaz”.

“É também nos momentos de crise que temos que ser mais solidários, não obstante os desafios internos com que todos os países se deparam”, disse, salientando que, como pequeno Estado insular, Cabo Verde regista ainda” muitas vulnerabilidades”, sobretudo neste período de crise provocada pela pandemia da covid-19.

Neste sentido, depois realçar a pronta reacção do Governo de Cabo Verde, com medidas para minorar os impactos imediatos da pandemia da covid-19 nas pessoas, salientou que é “importante a realização de uma análise cuidada do impacto social e económico” desta pandemia, ainda “bastante imprevisível”, para que o País possa “melhor construir a sua resiliência”.

“A avaliação do impacto da crise adveniente da covid-19 está já a decorrer com apoio das Nações Unidas e outros parceiros comprometidos com Cabo Verde. Desta análise virão mais elementos que permitirão calibrar a resposta a custo e médio prazos e melhor fundamentar a ambição 2030”, realçou.

Ana Graça sublinhou que, “mais do que nunca”, as prioridades de sustentabilidade económica, social e ambiente e as suas interligações são “imperativos para a sobrevivência do planeta e das gerações vindouras”.

Da parte das Nações Unidas, garantiu que a organização vai continuar a estar ao lado de Cabo Verde nessa década de acção, para que ambição 2030 seja uma realidade para todos e em particular para “tocar a vida daqueles que ainda estão mais atrás”.

De acordo com o Governo Cabo Verde, Ambição 2030 dará “especial atenção” aos desafios que determinam a continuação do percurso para o desenvolvimento sustentável designadamente a inserção dinâmica do arquipélago no sistema económico mundial, o turismo sustentável, a diversificação da economia, a descentralização, o desenvolvimento regional, a económica digital, e inovação, o desenvolvimento do capital humano e novas parcerias para o desenvolvimento sustentável.

MJB/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Generic filters
Filter by Categories
Ambiente
Cooperação
Cultura
Sociedade
Desporto
Politica
Economia
Internacional
    • Categorias

  • Galeria de Fotos